domingo, 28 de setembro de 2014

Fora do Prumo

Continuando o sketchbook... Acabei de resolver um problema com o scanner que estava travando no meio da digitalização -- coisas de ter muitos aparelhos USB, e poucas entradas: faz você trabalhar com um hub, o que não é sempre a melhor solução. Continuo tentando aproveitar os dois lados da página; nem que seja para testar alguns materiais que eu ainda não utilizei. O "retrato" rabiscado à direita foi levemente inspirado em uma foto da minha mãe com 12 anos. Estava com preguiça de trabalhar o cabelo -- assumo -- então deixei parecendo que ela era loira... Muito longe da verdade.

Ainda me perturba muito essa coisa de eu ter uma tendência natural a deixar os olhos fora de prumo... Um sempre acaba um tantinho mais baixo que o outro. É uma coisa que está longe de passar despercebido depois mas que misteriosamente eu nunca percebo quando estou desenhando -- mesmo quando tento checar o desalinho com uma régua ou com um lápis por exemplo. Aqui no detalhe, por exemplo, eu corrigi a distorção no Photoshop: coloquei os dois olhos no mesmo nível, diminui a distância entre eles para um olho (que é a indicação básica de proporções) e deixei o olho da sua esquerda levemente maior que o da sua direita, já que, como a cabeça está levemente inclinada, isso deveria aparecer naturalmente... Não deu muuuitoooo certo, mas o suficiente para perceber que com um pouquinho mais de atenção a coisa teria ficado um pouquinho melhor.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Mais um inacabado.

Como o rascunho diz, comecei mais um sketechbook... Já não sei quantos eu tenho em andamento, mas eu já sei por exemplo que eu gosto muito, muito, muito mais desse papel da Canson do que de todos os outros últimos que tenho usado. Não é caro, tem uma estrutura boa, vários tamanhos... Ganha um beijo. Se alguém se interessar, é esse aqui:
http://www.papelariauniversitaria.com.br/produtos/caderno-one-sketch-book-100fl-a5-canson.htm

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

SketchBlock no Facebook

Você já visitou a página do blog no Facebook? Não? Então aproveite:
https://www.facebook.com/sketchblock.com.br

Resolvi o que fazer com ela -- estou aproveitando para publicar tudo o que vejo de bonito por aí, e que não cabe no blog. Assim, por aqui a gente fica com as minhas dores e sofrimentos em relação aos meus sketchbooks, e lá a gente vê quem já fez a coisa dar certo, muito certo.

Vai lá, curte e acompanha!


sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Sempre mais do mesmo...

Eu já tenho um blog específico para reclamar da vida para não ter que fazer isso por aqui. Mesmo assim acho que vale a pena atualizar... Não me cuidei direito essa semana: não dormi o suficiente, abusei das horas de trabalho, descuidei da alimentação. Aí nesse, justo nessa quinta e sexta que eu precisava dar força total, fiquei marcha lenta... E agora se assenta aquele resfriado do ano que eu sempre tenho, o que derruba para valer mesmo.

Dor de garganta, dores no corpo e calafrios são os meus amigos agora. Nadei, nadei e morri na praia com tudo que tinha que entregar essa semana então... Eu fico me perguntando de que vale tanto esforço se eu não consigo virar a entrega.

Ando reavaliando muita coisa... Só não sei quando eu terei oportunidade de colocar qualquer resolução em prática... Parece que eu estou sempre correndo atrás do próprio rabo -- as coisas grudam umas nas outras e eu simplesmente não tenho tempo de refletir... Nem sobre como aproveitar melhor os 20 minutinhos que eu dedico a isso.

Uma nota sobre o azul: é Ecoline... Comprei há um milhão de anos, e ainda não usei direito. E ela está ficando grossa - algo que não deveria. Resumo na Ópera: estragando materiais como nenhuma outra há 34 anos.

quinta-feira, 31 de julho de 2014

O poeta é um fingidor...

Não, eu não sou poeta. Mas eu entendo bem a parte do fingir... Tanto que, cansada de páginas e páginas que não tem cara da "art journal", eu resolvi fazer uma mais parecida com aquilo que encontro por aí... Mas é fake. A folhagem é fake, o rabisco é fake... É só para parecer, mas não é -- algo que eu entendo muito bem.

Mas deu para testar a nova Micron, deu para testar a tinteiro que está com tinta vermelha, e ainda deu para brincar de pontilhismo com canetinhas (como eu sou gente grande, tenho que chamar de marcador).

Um dia desses, quem sabe, isso tudo começa a fazer sentido.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Se o limão é cocinero...

Dê um desconto pelo título... Vc já assistiu o comercial do "limão cocinero"? Aquele diabo de música entra no cérebro e não sai mais...

Fora isso, estou em crise com o meu sketchbook... Ele não vira um art journal, um diário ilustrado e muito menos um caderno de prática. Não sei se a minha vida é muito digna de "nota ilustrada"... Acho que eu ainda sou mais fã de um diário escrito do que de um diário ilustrado e, quando abro o caderno para desenhar eu gostaria que o resultado fosse mais realista e menos "engraçadinho".

Esse aí é (ou era) meu timer de cozinha... Digo era, porque eu sempre quis um desses timers mecânicos que fizessem barulhinho para marcar meus pomodoros (longa história)... Esse deve ter feito isso umas três vezes na vida. Aí como bom produto chinesinho, ele só fica de cá para lá em casa parecendo bonito. O trabalho de timer de verdade é agora realizado por um eletrônico que me deixa menos na mão, não faz barulho fora de hora e é bem mais customizável. 


domingo, 20 de julho de 2014

Desabafo

Numa postagem sem imagem, apenas um comentário do cotidiano.

Esses dias eu mostrei para a minha mãe o desenho que eu fiz do meu marido jogando video-game. O olhar e o comentário de reprovação foram imediatos, num "É por isso que as coisas estão tão bagunçadas na sua casa/vida/preenchavc". Nem vou comentar dizendo que "na verdade, é por isso que eu ainda aguento tudo o que não está certo, uma chance de gastar 20 minutinhos fazendo algo que EU realmente goste, sem necessidade de entrega ou prestação de conta pra ninguém".

Não vou comentar assim, porque não foi isso que me chamou a atenção.

O que me chamou atenção foi: com quase 34 anos (falta pouco), eu ainda me dou ao trabalho de mostrar esse tipo de coisa, procurando uma aprovação que eu não preciso mais (pelo menos racionalmente). E que mesmo com esses 34 anos, e uma casa tomada com pranchetas, mesas de luz, sketchbooks e todo tipo de material de desenho, minha mãe também não entende que isso é importante para mim.

O que me faz pensar: quanta gente por aí não desiste simplesmente porque quer uma coisa que não ecoa nos arredores? Quando vemos aqueles artistas com pais e mães artistas, tendemos a fazer comentários de que "está no sangue". Acho que não está no sangue não... Está no simples cuidado em não afogar sonhos, reforçando nossas inseguranças...

Eu poderia escrever um livro com exemplos do tipo...
Mas como tenho quase 34 anos, e agora cabe a mim escutar o que quiser, eu prefiro continuar com os meus rabiscos bobos de 20 minutos... E o meu blog.

terça-feira, 15 de julho de 2014

Mierda!

Ok, eu tenho que admitir que estou fazendo as coisas bem meia boca ultimamente... Mierdas, mierdas, mierdas! Não estou me dando ao trabalho de olhar direito para o que estou desenhando, estou querendo apenas a página completa, e passar para a próxima.

Quando eu estava fazendo um sketchbook com o papel mais acetinado, eu estava reclamando que demorava para sombrear mas... Eu estou começando a ficar com saudade dele nos últimos dois... Esse papel mais áspero que tem textura mas não aguenta nada, fica meio úmido etc., não me agrada muito.

Prometo ser mais cautelosa no próximo sketch -- olhar melhor, gastar mais tempo, não finalizar de qualquer jeito apenas para bater cartão. Acho que o que me incomoda nessas tentativas de "Art Journaling" é que não estou tão interessada em documentar minha vida (pra isso eu tenho meu diário) quanto estou em melhorar no desenho... E no quesito "melhorar no desenho", fazer as coisas desse jeito não adianta muita coisa.