Mostrando postagens com marcador Desenho. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Desenho. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

De volta a cor...


Depois de quase 02 meses de Inktober, e muito preto e branco, finalmente algo com um pouco de cor... Não sei se vai muito além disso também -- quero ficar um tempo tentando ver o que é possível com uma caneta Bic quatro cores, já que uma coisa que o Inktober me mostrou é que limitar as escolhas nem sempre é algo ruim.

Como companhia, acabei montando um pequeno estoque desse Sketchbook da Amazon.com.br. Sempre que tem promoções especiais e eles fazem 3 livros importados por 2 no site, acabo pegando mais 3. Normalmente, o preço está por volta de 33 reais cada (o que já valeria a pena), mas nesses casos de promoção acaba saindo por 22 reais cada um. Ele é tamanho A5, espiral no topo (algo que eu também prefiro em relação aos encadernados) e com uma folha grossa o suficiente para mim (uns 120 g/m²), além de bem acetinada...

Depois de muito tempo tentado outros sketchbooks, cheguei a conclusão que essa é a combinação perfeita para o meu momento: fica ótimo desenhar a lápis, nanquim e canetas de todos os tipos -- durante o Inktober nenhuma vazou para o outro lado da página, algo que acontece regularmente quando eu uso o "Canson One", sketchbook padrão da Canson.

Das vantagens que só as pessoas doidinhas como eu compartilham: existe algo de libertador em você simplesmente virar a página e deixar tudo o que foi feito pra trás -- por mais que esteja tudo no mesmo caderno e você tenha um histórico, nessa composição eu não sinto que o que está sendo feito hoje precisa "ornar" com o que feio na página anterior... É sempre uma sensação de começar do zero, para o bem ou para o mal. Como eu continuo gostando de sketchbooks preenchidos dos dois lados, comecei a colar folhas soltas na página que fica em branco -- assim, a coisa fica mais "completa", sem vazar para o desenho de outro lado, que é algo triste dos meus sketchbooks antigos.

Revendo 2019

Nesse final de ano também, todas as plataformas começam a mandar suas retrospectivas -- e uma das que eu mais gosto é a do Spotify, que está na sequência. O gosto musical aqui não é o mais refinado ou antenado, mas se quiser experimentar o que se passa nesses ouvidos, uma amostra está na sequência.

terça-feira, 16 de julho de 2019

Rascunhos em Rosa...

Mais uma cabeça para a coleção de cabeças.
Segunda coisa mais rabiscada depois de cabeças.

Faz um bom tempo que eu fiz esses dois -- o primeiro, no caderninho de rascunho que eu comprei na Miniso (não vou chamar de sketchbook, já que o papel briga com lápis de desenho, rs) e o segundo foi a divisória inicial do meu Bullet Journal que acabou de acabar...

Estou meio distante de qualquer tipo de sketch. Primeiro por conta do Blog novo (o Omni Journal Brasil, onde eu falo de cadernos e journaling -- mais em breve), depois pelos freelas ganha pão e terceiro... Desânimo.

Gosto muito de fazer esses rabisquinhos -- tanto que toda vez que começo a ficar mais produtiva neles começo a me questionar por que não estou fazendo mais deles (boletos? Obrigações? Tudo um pouco?) e digamos que "esse sorriso vai ser mau pros negócios", como diria a Satine em Moulin Rouge (puxei do baú agora, não?).

Vou assumir o modo "meio deprê pós apocalíptico" para dizer uma coisa: às vezes eu fico pensando que quando eu ficar mais velha -- se eu chegar a tanto -- eu vou passar o fina dos meus dias lamentando não ter feito mais isso. Eu não gostaria dessa sensação para mais ninguém. Então se for o seu caso, corre para o seu caderno e desenha.

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Na bolsa, por sete anos…

Fonte: https://www.instagram.com/p/BkjK_XzF-Ij/
Sketchbook Ando Hiroshige A6 da teNeus, com lapiseira 0.5 (com grafite 4B)
Rabisco da noite de 27/06, feito em um Sketchbook A6, com a minha lapiseira de trabalho — uma de um dos estojos de escrita, não de desenho (acredite, quando você é a “louca dos materiais” dá para fazer vááááárias divisões desse tipo). De vez em quando eu gosto de fazer esses rabisquinhos sem referência para ver como está a minha capacidade de desenhar de imaginação.  Especialmente nesse sketchbook — é o que eu uso quando estou fora de casa (normalmente na minha mãe) e não quero carregar peso ou volume.

No entanto, o que assusta mesmo, é que esse é um “sketchbook de bolsa” há 7 anos. E está “quase” na metade. Eu sei, pode dizer: tem que ter muita cara de pau para admitir isso. Ele não tem um volume absurdo de folhas (as clássicas 80 de um papel parecido com pólen, ainda mais liso), então deveria ser o tipo de caderno que você deixar na bolsa por no máximo um ano e termina, não é mesmo?

O que me leva a uma consideração:
O que faz um sketchbook útil ou não?


Tamanho é Documento!

Nesse caso, eu acho que o tamanho é uma questão fundamental. Um sketchbook A6 (um quarto de folha A4) é muito pequeno. Serve pra vc fazer rabisquinhos de uma maneira concentrada em um papel legal, mas não é um lugar para desenvolver suas habilidades de desenho: há pouca possibilidade de detalhes, você não trabalha tanto o movimento do braço (fica impossível, como dizem por aí, “largar o braço”) e você não chega nem a enfrentar grandes problemas de composição (não há espaço nas páginas para deixar muita área livre, mal há espaço para desenhar).

Sei que eu sou uma grande defensora (mais para os outros do que para mim mesma) que qualquer superfície serve quando você está tentando praticar desenho — mas se você está começando, ou se quer praticar algum estudo específico (sólidos, anatomia etc.) eu não recomendaria uma sketchbook tão pequeno. Na verdade, eu recomendaria apenas aqueles que estão de A4 para cima. Quando você pratica algum tema específico, é interessante comparar diversas tentativas, ver o que você acertou em uma e outra… E isso fica bem difícil quando cada tentativa está numa página diferente.

Pelo menos para mim, sketchbooks menores (A5 ou A6) são bons para quando o seu único objetivo é agradar a si mesmo — fazer desenhos descompromissados com uma prática focada, aqueles que você faz o que dá na telha e não quer uma folha intimidadora que vai precisar de horas para ser preenchida. Esse é um dos motivos pelos quais eu sei que seria melhor praticar em folhas A3 quando vou desenhar algo avulso, mas ainda insisto em A4. Toda vez que penso em desenhar em A3 eu imagino que vai ser difícil concluir o desenho em apenas “uma sentada” e a perspectiva de ficar dias na mesma folha, sem aquela sensação de “completude”, parece algo complicado para alguém que não dedica a maior parte do seu tempo a essa prática (infelizmente).

E eu nem sequer entrei em questões fundamentais como “tipo de papel” e “encadernação”, por que isso daria conteúdo para muitos e muitos posts, rs.

Notas sobre a Faxina: como eu mencionei no post de ontem, eu percebi que as postagens antigas feitas de maneira automática do Instagram para o Blogger bugaram, e eu fiquei com diversas postagens com imagens quebradas, sem visualização. Hoje, depois de uma investigação mais profunda eu fiquei apenas um pouco mais triste: o problema está afetando postagem de até 02 anos… Então existem páginas e páginas do blog para serem corrigidas. Hoje eu fiz uma página (a anterior mais recente) e planejo atualizar todas as demais até o final de Julho. O bom dessa revisão é que estou conseguindo fazer uma revisão dos principais temas do blog em geral (e encontrar algumas promessas não cumpridas com relação a conteúdo, que precisam ser retomadas).

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

O que aprendi com o Inktober 2017?

Resultado do Inktober 2017
O que aprendi com o Inktober 2017? Em primeiro lugar, que está difícil aprender qualquer coisa ultimamente, rsrs.  Eu comecei o Inktober bem animada: preparei caderno especial, escolhi as tintas e o material; diferente do ano passado peguei algumas referências para não morrer na terra do "O que é que vou desenhar?" e a coisa foi muito bem até um pouco mais do meio do mês...

Mas caminhando para o fim do mês... Deu bode! Poderia dizer um milhão de coisas que também impactaram (Isso tomar quase 02 horas num dia cheio, e muitas vezes acontecer no mesmo horário da rotina de sono da minha filha, entregas malucas de projetos que não permitiam duas horas por dia desenhando etc), mas dizer que "deu bode" é de longe a mais precisa.

Isso não significa que não ficaram algumas lições aprendidas... No caso, duas:

1. Não compre papel porcaria!
Existe uma, e apenas uma situação, na qual é aceitável desenhar em papel porcaria: você está no início do início da aprendizagem, precisa praticar com um alto volume de desenhos (e tem tempo para um alto volume de desenhos) e não quer gastar muito. E aqui, a chave é "vai desenhar muito". Por quê? Se você é como eu, e no máximo consegue alocar entre 30 minutos a uma hora por dia de desenho (ou seja, no máximo 7 horas por semana), você não vai conseguir fazer muitos desenhos por semana -- se forem num nível rascunho, difícilmente mais que uns 14 (1 a cada 30 minutos), se for um levemente mais acabado, não mais que 7 (um a cada hora) -- e aqui eu estou sendo generosa demais, pq se eu produzisse 7 desenhos meia boca por semana estaria saltitando de alegria com uma produção de aproximadamente 30 desenhos por mês.

Agora vamos a matemática da coisa (que eu sei que não é a parte favorita das demais pessoas de humanas que não fizeram um colégio de Exatas, rs):

Desenhando melhorzinho
  • 30 desenhos por mês = 02 blocos de 20 folhas de um papel minimamente bom (e ainda sobram dez folhas pra guardar ou refazer algo que tenha ficado muito ruim).
  • Como minimamente bom, estou considerando um Canson C Grain 220g, que vc compra por 12,90 a 15,90 um bloco.

Desenhando rascunhado
  • 60 desenhos por mês = 02 blocos de 50 folhas de um papel de desenho 90g (algo que custa entre 3,90 a 5,90 cada, e que ainda vai deixar umas 40 folhas de reserva).
Então eu lhe pergunto, como perguntei para mim mesma: pq desenhar em papel tranqueira? A menos que as finanças estejam mesmo muito mais muito mal, gastar 30 reais por mês com folha boa não deveria ser um problema... Ou seja, não deveria causar tanto preciosismo (até pq não vai ser R$ 20,00 por mês... Vai ser no máximo a cada 2,3 meses se a produção for assim limitada).

O que aconteceu no meu caso com o papel do Inktober?
Ano passado, fiz os desenhos em Bristol da Canson (um opaline de melhor qualidade vendido pela Canson, 180g/m², bem liso e brilhante). Ele foi muito "carinhoso" com os meus erros, e encobriu a maior parte deles.  Esse ano, o Bristol da Canson estava em falta e eu achei que tudo bem fazer o caderno do Inktober todo em papel Lay-out 240g/m², bem mais grosso. Para quem não está familiarizado, layout é um papel offset -- o mesmo das gráficas, ou um "sulfite industrial" rs -- nessa gramatura, algo cerca de 3 vezes mais grosso que uma folha de sulfite comum. Parecia uma boa ideia mas:
  • O papel apagava pessimamente (de levantar bolinha no papel).
  • Toda vez que usei fita crepe, metade do branco do papel ficou na fita.
  • Ele não gostou dos meus erros: todas as marcas e pinceladas do nanquim vermelho apareceram, e secavam em tons diferentes.
Esperar um ano inteiro pelo desafio pra ver seu esforço de 2 horas diárias ser piorado pelo papel é muito frustrante.

2. Pra desenhar melhor é preciso... Desenhar mais.
Ok, eu não precisava do Inktober para descobrir essa mas... Ele ajudou a refletir bastante sobre isso. Quando você começa a cometer os mesmos erros, dia após dia, das duas uma: ou os abraça ou faz algo pra mudá-los... Foram muitos "Sério que vc vai fazer essa orelha assim de novo? Vc já percebeu que os planos desse rosto não estão claros né? Olhos nivelados, quem precisa deles?". Preciso voltar para o mais básico do lápis, eu sei.

Resumindo:
Ainda considero que o Inktober desse ano foi um avança a série: tenho tentado participar do Inktober direito desde 2014, e os números da produção tem aumentado todo ano (e gosto de acreditar que a qualidade também). Então ainda tenho esperanças que o ano que vem vai ser melhor...
 Torçamos!

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Só de olho em como melhorar no desenho...

Para variar um pouquinho, um rabisquinho que não cruzou a barra para o Instagram, especialmente para ilustrar esse post... Faz tempo que não escrevo por aqui diretamente -- estou envolvida, atualmente, na tentativa de engatar de verdade com o hábito de rabiscar diariamente, e as publicações no Instagram tem ajudado nessa questão de ficar visível o resultado... E ainda fez com que o blog não ficasse tão parado por aqui.

Tenho pensado muito naquilo que posso fazer para melhorar no desenho... Depois de tantos textos sobre aprendizagem, garra, evolução etc., cheguei a conclusão que a melhoria é resultado de 03 coisas básicas: Diversão, Prática Deliberada e Trabalho no Dia a Dia... É a diversão que faz a gente gostar da coisa, a prática deliberada que faz a gente "consertar" e aprender peculiaridades mas, é a "água batendo na bunda" do trabalho cotidiano que faz a gente "performar" (como misteriosamente gosta todo gerente de RH).

Não é de se admirar que seja realmente mais difícil aprender depois de adulto -- quando o tempo para diversão é restrito, a gente não quer gastar o tempo que tem com práticas "chatas" e quando o ganha pão depende de outras atividades.

Por conta disso, estou pensando em como integrar tudo isso em uma prática pessoal -- em como ter tempo para se divertir com o desenho, em ter tempo para analisar as principais deficiências e trabalhar nelas e, ter algum tipo de saída com objetivo financeiro para isso -- mesmo que por hora seja o tipo de produto que ninguém pediu, e ninguém quer (é a vida, não é mesmo?).

É claro que esse comprometimento não conseguirá acontecer no volume e quantidade que alguém de 17 anos poderia colocar na coisa mas... Dá pra abraçar o "devagar e sempre", já que, na verdade, são os hábitos constantes as ferramentas mais capazes de gerar mudança e evolução. E eu estou toda na internalização do "vamos mudar os hábitos primeiro"... Quem sabe agora engata.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Desenhar depois de adulto... Onde estão os brasileiros?

Pode parecer que eu estou ganhando algo da Sketchbook Skool pelos comentários, mas não estou: eu vejo vídeos como esses daí embaixo e fico me perguntando onde estão os brasileiros que querem desenhar simplesmente por desenhar? Encontro sempre toneladas e toneladas de blogs para quem está começando a desenhar tendo em mente pessoas que estão no máximo na casa dos 20 anos e que querem trabalhar nesse mercado -- e isso é muito bom mas... Onde estão as pessoas que querem desenhar simplesmente porque gostam? Existem por aqui? Se dão ao direito de ter um hobbie?

Começar a desenhar -- ou mesmo voltar a desenhar -- e se desenvolver nessa habilidade, depois dos 30, merece um enfoque completamente diferente de quem está começando por aí... E isso não está sendo coberto. Nem os cursos de arte, por exemplo, são voltados para educação continuada e desenvolvimento pessoal, mas em conquistar um título e habilidade necessário para o mercado de trabalho!

Onde estão vocês rabiscadores maduros?
Vamos nos unir!!!

Student Stories
https://www.youtube.com/watch?v=XuQYO8QSiWI

quarta-feira, 15 de março de 2017

Rabiscando depois dos 30!

Esse anos está sendo uma tristeza. Desenhar depois dos 30 não é para os fracos de coração... Talvez para os destruídos de coração, mas não para os fracos. Eu sinto a falta de "pares", eu sinto a falta de companheiros na mesma jornada. Acho que, em retrospectiva, foi isso que me fez há alguns anos atrás fazer o curso "Beginners" na "Sketchbook Skool". Mas o resultado não foi como esperado. Hoje em dia, eu sinto uma certa inveja triste de quem fica titubeando com o que fazer para desenhar melhor enquanto está na adolescência, na casa dos 20... Eu posso olhá-los e pensar "olha lá, mais um perdidinho como eu que não vai fazer nada com isso" -- mas eu sinto saudade dessa fase cheia de expectativas.

Não é para desanimar, mas de tanto viver nessa vida de desenhadores, e agora na margem dessa vida, é possível perceber alguns padrões. Quem desenha *muito* (seja em quantidade ou qualidade), sempre desenhou muito (especialmente em quantidade). Tenho um colega de faculdade que publicou sua webcomic durante anos, depois publicou livros com elas e depois participou de um dos livros de homenagem ao Maurício de Souza. Sorte? Dom? Talvez um pouco de tudo... Somado ao fato de que do primeiro ao último dia de aula, minha maior lembrança da sua pessoa foi curvado sobre o caderno desenhando, desenhando, desenhando. Pessoas assim não estão por aí em fóruns perguntando como podem melhorar. Não estão baixando e-books com dicas, assistindo Sketchbook Tours no YouTube. Elas estão por aí... Melhorando. Lembro até de uma época em que ela parou a webcomic para estudar para concursos (até quem sabe muito não está livre da tristeza que pode ser tentar ganhar a vida nessa área). Não sei se essa história foi para frente, pois muitas tiras e publicações vieram depois disso então... Mesmo em dúvida, quem quer mesmo não consegue parar.

Para quem visita aqui há mais tempo -- se é que essas pessoas existem, assim como os unicórnios -- sabe que uma das minhas principais questões é: Por quê!? Por quê rabiscar essas coisas de pouca qualidade e proveito que saem do meu sketchbook? Eu ainda tenho esperanças de ganhar dinheiro com isso? Eu ainda acho que isso poderá um dia ser arte? Isso é arte? Saber isso realmente importa? Tenho tido algumas ideias com relação a tudo isso nos últimos tempos. Afinal: o mundo precisa de mais rascunhos mal feitos como esse?

Vamos começar com a pior hipótese (eu sempre estou melhor familiarizada com o *Dark Side*, rs). Não, o mundo não precisa de nenhuma dessas caquinhas que estamos fazendo em nosso sketchbooks. Assim sendo: E daí? Você não precisa do seu vizinho que estuda bateria no sábado de manhã, e eu não preciso da minha vizinha que canta sofrência desafinada todo dia de faxina. E tudo bem -- ele não está tocando bateria para você, nem ela está cantando para o deleite dos meus ouvidos. Eles estão, eu espero, fazendo isso porquê os deixa felizes e... É isso que importa!

Ainda estou internalizando aos poucos essa simples resposta, porque ela responde muita coisa. Trabalhei -- e trabalho ainda, devo deixar claro -- por muito tempo prestando serviço para corporações em Ensino à Distância. Qualquer serviço prestado nesse formato só existe na base da utilidade e da necessidade, se não for preciso, é cancelado e cortado. E por algum motivo, eu deixei que essa lógica se aplicasse a minha prática de desenho -- talvez porque durante muito tempo eu imaginasse que um dia poderia trabalhar em um emprego como ilustradora, atendendo solicitações... Então eu sempre fico pensando: "Qual a utilidade disso?", "Qual o valor disso perto do que é disponibilizado no mercado?", "Como isso está posicionado em toda prestação de serviço?"... E isso simplesmente não importa no curto prazo, ou seja, no cotidiano de rabiscar e seguir em frente.

A verdade final, é que os anos vão passar. Hoje eu tenho 36, mas sei que num piscar de olhos eu vou estar com 45, 60 anos (se tiver tanta sorte com tanto fast food envolvido). Será que eu quero -- ou você quer -- chegar aos 60 e ficar pensando em como estaria desenhando, o que teria feito, se tivesse sido mais comprometida nos 24 anos que separaram os 36 anos dos 60? Será que vale a pena parar algo que você gosta na sua vida porque você não sabe que utilidade isso possa ter para o mundo? Esse mesmo mundo que não está pagando as suas contas, lavando suas louças ou ajudando em casa.

Eu entendo os questionamentos. Trabalho como freelancer, em casa, cuidando de uma criança de 3 anos... É difícil cuidar da limpeza, da alimentação, das rotinas, do trabalho, dos imprevistos e se convencer que uma hora rabiscando no seu sketchbook, por nenhum dinheiro, reconhecimento ou recompensa é tão importante quanto uma pilha de roupa que precisa ser separada, lavada, passada e que não vai se resolver sozinha se você não der atenção... Mas sendo otimistas (mesmo): eu e você vamos morrer. E não vamos morrer numa hora conveniente, com tudo em ordem, a louça lavada, roupa separada, entregas em dia e com tudo certinho para todo mundo. Vai ser um estorvo (e a gente espera que seja uma tristeza tb) para os envolvidos, mas eles vão ter que lidar com isso e viver. Mas não tem boletim de realizações domésticas, familiares e profissionais. Ou será que você espera um lápide assim:

"Aqui jaz FULANO. Não perdeu tempo com rabiscos, nem aquarelas, nem nenhuma dessas bobeiras. Por isso conseguiu ir em paz com a louça lavada, o guarda-roupa arrumado e a lista de tarefas completamente em ordem".

Se essa é uma lápide que lhe traz alegria, pode prosseguir com a procrastinação, sem problemas. Mas eu sinto que essa seria a minha própria definição de uma vida medíocre. Mesmo sabendo que, e essa é uma particularidade minha que eu espero que você não partilhe, eu tenha questões sérias para revolver sobre acumulação, rotinas e produtividade (ou seja, mesmo sendo uma pessoa que precisa objetivamente investir mais tempo em colocar a casa e a vida em ordem, pra ontem).

A minha "desconexão" com a Sketchbook Skool, por exemplo, vem mais de uma diferença cultural do que operacional, por exemplo. Eu não tenho problema com as artes que eles fazem, ou o que estão aprendendo. Eu não consigo é me relacionar com a cultura americana e europeia, onde a vida e as coisas estão tão bem encaminhadas em que é possível, aceitável e incentivável que você consiga investir tanto tempo em um hobbie. Essa realidade na qual "Decidi começar a pintar, então peguei um dos cômodos *sobrando* aqui em casa e transformei no meu estúdio" acaba mais me desnorteando do que ajudando. Eu tenho uma prancheta que me aterroriza esmagada no meio da sala de casa -- isso ainda é assunto pra outro momento -- mas na maioria das vezes tenho que acomodar as coisas no colo, sentada na minha cama, com minha filha pulando atrás de mim... Ou seja, tem que ter muito comprometimento e vontade pra não dizer "sabe, talvez essa coisa não seja mesmo pra mim".

Se você chegou até aqui: obrigada acima de tudo. Sendo ou não um regular nesse blog, eu gostaria de saber qual a sua maior dificuldade, seus questionamentos, o que sente falta, o que faz você cair em blogs como esse. Pode abrir o coração sem medo! Se ficar com vergonha dos comentários, está valendo mandar e-mail pelo endereço disponível na página de Contato

Para encerrar, um trailer do novo curso da Sketchbook Skool, só pra animar.

sábado, 22 de outubro de 2016

O que comprar pra começar a desenhar?

A minha versão pessoal é um pouco diferente do que vou recomendar, mas o espírito é o mesmo.
Depois do post de ontem (Não pare. Não pire), eu fiquei pensando no que eu compraria para começar a desenhar se não estivesse soterrada em material e intenções há tantos anos. Indispensável mesmo, só papel e lápis -- mas alguns extrinhas já dão boas condições para brincar bastante.

Minha listinha seria...

Materiais:
  • 01 Bloco de folhas (Layout) A4 com 50 folhas.
  • 01 Lápis HB.
  • 01 Lápis 6B.
  • 01 Borracha.
  • 01 Apontador.
  • 01 Prancheta.
  • 01 Caixa de Lápis de Cor 12 Cores.
  • 01 Caneta Esferográfica Preta.

Por que cada um desses? Vamos ver...


Papel Layout A4

Papel branco, liso, acetinado -- se dá bem com lápis, com esferográfica, com nanquim e com lápis de cor. Não é acid free (não é para deixar seus rabiscos para a posteridade) mas você compra um bloco por menos de 3,00 (Kalunga) e não sofre a cada rabisco que não sai do jeito que você espera. Eu gosto mais do que comprar um pacote de sulfite, pq estão todos juntas no bloco (mais fáceis de carregar, e guardar).

Lápis HB.

Muita gente vai falar que bom é ter um 2B -- eu discordo. 2B já é escuro demais se você está começando e tem a mão pesada. Um HB é perfeito pra fazer rascunhos, traçar estruturas e fazer leves sombreados. E não precisa, nesse começo, ser um Lumograph da Mars/Staedtler -- um Faber Castell Regent faz muito bem o serviço.

Lápis 6B.
 
Aqui você tem a outra ponta -- o mais escuro e macio da maioria das marcas. Se você tem a mão pesada, vai ter que aprender a segurar a mão com delicadeza pra não abusar. Se tiver a mão leve, começa a colocar algum contraste nas coisas. É claro, existem todas as gradações entre HB e 6B -- mas com esses dois, vc não precisa de mais nenhum se trabalhar o peso da sua mão... E é aí que eu acredito que está boa parte da diversão.

Borracha.

Dados os materiais anteriores, talvez aqui seja onde eu investiria mais -- e teria duas: uma borracha tradicional de melhor qualidade (hi-polymer) e uma borracha "artística"/"miolo de pão" (aquela molinha, como limpa-tipos, que limpa bem grafite. Eu tinha um professor que abominava borrachas -- mas não abria mão da miolo de pão.

Apontador.

Nove em cada dez -- insira a sua definição de sabe tudo aqui -- lhe dirão que o estilete é melhor que o apontador... É mesmo: pontas maiores e mais afiadas, melhor aproveitamento dos lápis etc., etc... O detalhe é: se vc está começando, boa chance que não saiba utilizar o estilete direito, ou que vá perder boa parte do tempo apontando os lápis e não desenhando. Se vamos começar a desenhar com regularidade, vamos começar: pega um apontador com um bom reservatório (para não ficar espalhando casquinhas pelo mundo) e siga em frente.

Prancheta.
Não precisa ser uma Trident A4 de fórmica que custa 40 reais -- pode ser aquela pranchetinha de responder formulário, de mdf que custa no máximo 4,00 (De novo, Kalunga). Você só precisa de um apoio firme pro papel que possa levar pra onde for.

Caixa de Lápis de Cor 12 Cores.


Você não precisa começar com uma caixa de lápis de cor de 12 cores -- mas que vai ser legal ter uma, vai. Você pode começar a brincar com rascunhos em cores diferentes, fazer umas hachuras em cor, ou mesmo colorir com combinações básicas de cores -- é um esbanjar no momento que vai lhe dar alegria. Um dia no futuro eu falo sobre marcas de lápis de cor no contexto de pintura de lápis de cor, mas no momento guarde o seguinte: compre uma Faber-Castell vermelha simples de 12 cores (ou se quiser esbanjar mesmo, aquarelável). Um dia eu explico melhor, mas vamos ao FAQ básico: 1) Pode ser outra marca (BIC, Staedtler, etc.)? Não -- a menos que seja Giotto ou Mapped. 2) Pode ser aquelas que tem 24 cores em 12 lápis? Não. 3) Pode ser aquele apagável da Faber? Deus, não! Nunca.

Caneta Esferográfica Preta


Inicialmente eu tinha colocado aqui uma caneta nanquim mas... Uma esferográfica preta, no momento e no contexto de estar começando, não deixa nada a desejar -- ainda permite que você experimente por um valor bem mais em conta. E não precisa ser esbanjador aqui: qualquer BIC Cristal, Faber-Castel ou Paper Matte de menos de 1,00 faz o trabalho muito bem -- apenas se certifique de pegar uma com a tinta fluíndo. Ninguém merece, nem para desenhar, esferográfica falecendo no papel.

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Como Estruturar Referências para Estudo - BEDA #6

A postagem de hoje vai ser um pouco preta e branca -- então eu espero que você não desanime, porque ainda assim vai valer a pena. No BEDA #5 eu falei um pouco sobre o impacto da falta de foco: não saber o que estudar, e por conta disso não estudar nada. Então eu lembrei dos meus PDFs do FAC (Famous Artists Course) -- esse foi um curso por correspondência de desenho muito famoso nos EUA, que contava com artistas de peso entre os professores que elaboraram a apostila (entre eles, por exemplo, Norman Rockwell). Os PDFs das apostilas escaneadas costumam circular pela Internet de forma pirata compartilhada de tempos em tempos, e o esforço para baixá-las vale muito a pena (especialmente se você domina o inglês).

Uma nota: Como profissional de ensino a distância eu sei que o termo "curso por correspondência" costuma carregar uma carga negativa aqui no Brasil -- muito pela falta de formação do estudante brasileiro em aprender por conta própria, e de alguns conteúdos de baixa qualidade vendidos -- mas a situação é bem diferente quando falamos de EUA e Europa, onde essa foi uma maneira de aprendizagem séria por mais de um século. Quem leu "O Diário de Anne Frank", por exemplo, sabe que ela aprendeu línguas por correspondência durante a guerra escondida num sótão... Então acredite que você pode -- em situações muito mais confortáveis (e ainda hoje com o benefício da Internet) -- fazer o mesmo.

Agora voltando ao FAC -- já na apostila inicial de introdução, ele oferece um "gráfico para fazer um arquivo" de referências, citando vários tópicos comuns ao dia a dia e todo o tipo de itens do qual você deveria fazer um arquivo de referência (com fotos, recortes etc.). O gráfico é esse a seguir.
Para pessoas como eu, que sofrem de TOC informático, isso é um deleite... Há tempos tenho um pastinha no Dropbox cheia de referências digitais para desenho... E tudo bagunçado. Ao lembrar disso, já sonhei com nomenclaturas para categorias e subcategorias, pastas e subpastas onde vou jogar meus arquivos de imagem e PDF etc., etc.

Mas pessoas normais como você podem se beneficiar de outra forma: Esse gráfico de referências é uma ótima forma de levantar temas para estudo... Eu mesma percebi que quando vou desenhar estou sempre muito focada em Figura Humana, e em apenas algumas determinadas categorias. Com essa lista fica mais fácil levantar referências para estudo, e mesmo marcar aquilo que você precisa estudar -- para mim, cenários de qualquer tipo e animais, por exemplo, seriam um ótimo desafio, já que essas áreas costumam ser incrivelmente negligenciadas. 

Por conta disso, eu até comecei a traduzir a lista acima pra montar um PDF semelhante, o mais fiel possível, para me orientar... Mas enquanto fazia isso, tive que parar: por mais que eu queira ser fiel a uma referência tão bacana, os tempos são outros (mais precisamente, quase 100 anos depois), então alguns itens precisam mesmo de atualização... Então esse freebie para os meus leitores vai ficar para outro dia -- mas ainda nesse BEDA.

 Quando eu cheguei no item "Natureza", ficou claro que era preciso detalhar um pouco mais... "Água", por exemplo, é um item muito amplo pra juntar "rios", "lagos", "praia", "cachoeiras" etc.

Se você ficou interessado no "FAC - Famous Artists Course", ele ainda existe em uma versão atualizada pela fundação que mantém os direitos do curso -- é possível adquirir os arquivos oficiais online na versão digital, ou comprar a versão impressa para se entregue em casa. Basta acessar: http://arthomestudy.com/

segunda-feira, 16 de março de 2015

Nem sempre é o que parece.

Mais um estudo sobre os trabalhos realistas do Marcello Barenghi -- sempre em lápis de cor, enquanto o mocinho esperto utiliza várias técnicas ao mesmo tempo. Ou seja, reproduzir o desenho dessa forma é desafiante. O maior obstáculo? Tempo. Não estou acostumada a ficar tanto tempo em um trabalho. Estou no começo do segundo mês de aula e acabo de terminar meu segundo desenho. Para quem gosta de resolver tudo em uma sentada é... Frustrante na maior parte das vezes.

Acho que desenhos como esse são uma armadilha. Embora esteja plenamente ciente dos seus defeitos, aos olhos leigos ele é um trabalho muito legal... Dá satisfação de olhar, e aí que mora o perigo. Estudos sobre o trabalho alheio, ou fã arte em geral, constitui um território meio cinza para mim.

Se eu tivesse mais tempo para dedicar ao desenho e a pintura, talvez não em incomodasse tanto: esse seria um simples estudo no meio de uma produção autoral mais sólida... Mas não é assim. Quando tudo que eu consigo fazer é isso, fico pensando no que isso significa do ponto de vista "arte" -- não "Arte" com "A" maiúsculo, nem quero entrar nessa discussão -- mas arte como expressão artística: qual desenvolvimento posso ter se toda a "minha produção" for constituída de cópia do trabalho alheio?

No meu eterno debate sobre porque e para quê desenhar essa tem sido uma constante: a luta entre o que parece bom, e o que de fato é. Quero ser alguém que faz reproduções bonitas, ou aceito ser a pessoa que quebra a cabeça com alguns (muitos) trabalhos meia boca enquanto aprende a se expressar por conta própria?

Trabalho como esses são os trabalhos que fazem os outros olharem e admirarem. Mas embora eu também goste do resultado, me incomoda saber que eu não participei na escolha do tema, na escolha do olhar, não exercitei minha capacidade de observar, compor etc.

Eterno debate entre parecer bom... E ser de fato.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Sempre mais do mesmo...

Recentemente eu decidi parar de mentir para mim... Não adianta ficar enchendo o Sketchbook de rabiscos (uma amiga gosta de brincar que são "artes naïve", rs) e achar que estou fazendo alguma coisa... Mesmo com toda tortura e necessidade de aprimoramento que a coisa precisa, eu gosto mesmo de arte figurativa, de realismo, de hiper realismo... Se eu chego lá ou não, é outra questão mas... Não vou ficar entretendo coisas tão fora do meu padrão para tentar despertar a minha criatividade.

Recentemente eu publiquei um link na página do Facebook (http://www.studentartguide.com/articles/art-sketchbook-ideas) só para relembrar que sketchbooks vem em todos os formatos e com todos os tipos de conteúdo. Estou me dando ao direito, então, de ser um pouco mais metódica sem muito peso na consciência.


quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Iluminuras

A definição é um pouco demais mas, eu gosto de colocar uma imagem para marcar a passagem de anos no sketchbook -- é claro que idealmente o sketchbook não deveria conhecer o termo "passagem de ano", mas aí já é uma outra questão.

Normalmente eu escolho uma imagem de algum artista que eu gosto e preparo uma impressão pra colar ali mas... Esse ano, em homenagem a aula de lápis de cor que eu começo a fazer na quinta-feira (fica para um próximo post), eu decidi fazer à mão em lápis de cor.

Por enquanto, mesma preocupação do ano passado -- não passar mais de um dia em cada rabisco... Então sem sombreados trabalhados ou cores mais uniformes -- fica para o dia que eu puder começar mais cedo e terminar mais tarde.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Novo Sketchbook Tilibra Academie

Modelo Antigo do Tilibra Academie
Preço médio: R$ 35,00.
Os rabiscos em si podem não sair mas, para o bem ou para o mal, os cadernos que pretendem carregá-los não param de entrar... Como a atual circunstância não permite a entrada de modelos caros, eu não posso deixar de testar quando modelos mais em conta entram no nosso tão escasso mercado nacional.

O modelo que você vê no início da postagem é exemplo de uma das opções nacionais, produzidas por uma grande marca já há alguns anos (Tilibra). Ele conta com 70 páginas de gramatura média e leve textura, em uma cor off-white (levemente creme). Como eu sou meio viciada em colecionar cadernos do tipo, tenho alguns em branco das duas opções - a menor (mais próxima do formato A4) e a maior (mais próxima do formato A3). Mas ser uma das primeiras entusiastas (ou como eles diriam no marketing, "early adopter") tem o seu custo -- grande parte do meu estoque não tem folhas "acid free", ou seja, não está preparado para o teste do tempo: irão amarelar. Já as versões mais recentes contam pelo menos com o selo de "acid free".

Como eu já comentei por aqui algumas vezes, eu não me dei 100% bem com esse sketchbook -- apesar da gramatura e textura da folha, eu encontrei mais dificuldade em criar destaques e sombras do que eu previa. Além disso, nenhuma das imagens scaneadas ficou muito como eu gostaria. Tirando esses detalhes, é um sketchbook de respeito: bom tamanho, bom acabamento e um preço condizente.

E o que podemos encontrar no novo modelo?

 

Mesmo com todas as qualidades do modelo original, eu não pude deixar de ficar MUITO curiosa com o lançamento do novo modelo. O primeiro fator, é claro, foi o preço -- que está na média de R$ 18,00, por um caderno tamanho A4, com 50 folhas (essa informação pode variar, e muito, dependendo do site que você acesse). Outra curiosidade foi em relação ao formato. Todos os sites que eu encontrei informam que é um caderno espiralado em cima mas... Será que as pessoas estão há tanto tempo no computador que elas tem dificuldade de perceber que se você não gostar nesse formato basta simplesmente... Virar o caderno???

Eu sei que, como você pode ver nas fotos, a arte dá a entender que o caderno deve ser utilizado na horizontal (ou estilo paisagem) mas... Vamos dar algum crédito aos consumidores não é?

Por dentro no entanto, nada de muito especial -- apesar de ser um sketchbook com papel de uma boa gramatura (150 g/m²), o papel é um offset comum, de alta alvura (branco, branco, branco). Não é acid free (vai amarelar com o tempo) e não suporta nenhuma técnica úmida (talvez apenas um nanquim leve se você tiver cuidado). Mas é o que uma média de R$ 18,00 garante por aqui... Mas se você quiser economizar e não fizer questão de uma encadernação espiral, você consegue comprar o mesmo tipo de folha (sulfite 150 g/m²) em blocos de 20 folhas na Papelaria Universitária, por exemplo.

Se vale a pena somente você poderá dizer. Mas existem algumas coisas que você pode levar em conta na hora de se decidir se esse é o sketchbook para você:

1. Esse vai ser um sketchbook para praticar ou para guardar e mostrar para os netos? Caso a segunda opção seja a sua opção, esse aqui pode lhe deixar na mão com o tempo.

2. Que materiais você irá usar? Lápis, hidrográficas, ok. Se você pretende utilizar aquarelas, aguadas de qualquer outra natureza (nanquim, acrílica) esse pode não ser o melhor companheiro para o seu trabalho.

3. Cabe dentro do seu bolso? No final das contas, esse é o fator crucial. Se você vem desenhando em folhas de papel de impressão (daqueles pacotões de 500 folhas ou 100), sem dúvida esse é upgrade -- a folha será melhor, o trabalho estará melhor organizado e você terá como acompanhar a sua evolução. Se você já vem desenhando em folhas próprias para desenho, mesmo que nos blocos estudantis, e está feliz com o resultado -- ou mesmo se você pretende experimentar técnicas diferentes a cada página, essa pode não ser a melhor opção para você. Melhor economizar seu rico dinheirinho em opções mais profissionais.

 Se você quiser mais detalhes técnicos, aqui você encontra a contracapa e ficha técnica do caderno.

Você pode encontrar o seu aqui:
 


domingo, 28 de setembro de 2014

Fora do Prumo

Continuando o sketchbook... Acabei de resolver um problema com o scanner que estava travando no meio da digitalização -- coisas de ter muitos aparelhos USB, e poucas entradas: faz você trabalhar com um hub, o que não é sempre a melhor solução. Continuo tentando aproveitar os dois lados da página; nem que seja para testar alguns materiais que eu ainda não utilizei. O "retrato" rabiscado à direita foi levemente inspirado em uma foto da minha mãe com 12 anos. Estava com preguiça de trabalhar o cabelo -- assumo -- então deixei parecendo que ela era loira... Muito longe da verdade.

Ainda me perturba muito essa coisa de eu ter uma tendência natural a deixar os olhos fora de prumo... Um sempre acaba um tantinho mais baixo que o outro. É uma coisa que está longe de passar despercebido depois mas que misteriosamente eu nunca percebo quando estou desenhando -- mesmo quando tento checar o desalinho com uma régua ou com um lápis por exemplo. Aqui no detalhe, por exemplo, eu corrigi a distorção no Photoshop: coloquei os dois olhos no mesmo nível, diminui a distância entre eles para um olho (que é a indicação básica de proporções) e deixei o olho da sua esquerda levemente maior que o da sua direita, já que, como a cabeça está levemente inclinada, isso deveria aparecer naturalmente... Não deu muuuitoooo certo, mas o suficiente para perceber que com um pouquinho mais de atenção a coisa teria ficado um pouquinho melhor.

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Sempre mais do mesmo...

Eu já tenho um blog específico para reclamar da vida para não ter que fazer isso por aqui. Mesmo assim acho que vale a pena atualizar... Não me cuidei direito essa semana: não dormi o suficiente, abusei das horas de trabalho, descuidei da alimentação. Aí nesse, justo nessa quinta e sexta que eu precisava dar força total, fiquei marcha lenta... E agora se assenta aquele resfriado do ano que eu sempre tenho, o que derruba para valer mesmo.

Dor de garganta, dores no corpo e calafrios são os meus amigos agora. Nadei, nadei e morri na praia com tudo que tinha que entregar essa semana então... Eu fico me perguntando de que vale tanto esforço se eu não consigo virar a entrega.

Ando reavaliando muita coisa... Só não sei quando eu terei oportunidade de colocar qualquer resolução em prática... Parece que eu estou sempre correndo atrás do próprio rabo -- as coisas grudam umas nas outras e eu simplesmente não tenho tempo de refletir... Nem sobre como aproveitar melhor os 20 minutinhos que eu dedico a isso.

Uma nota sobre o azul: é Ecoline... Comprei há um milhão de anos, e ainda não usei direito. E ela está ficando grossa - algo que não deveria. Resumo na Ópera: estragando materiais como nenhuma outra há 34 anos.

domingo, 13 de julho de 2014

Alerta de Rabisco!

Não se pode fazer um omelete sem quebrar os ovos, e não se pode terminar um sketchbook sem começá-lo -- mesmo que de maneira vergonhosa.Então como as aulas da SketchBook Skool estão andando e eu estou ficando para trás (nas lições de casa, os vídeos em geral estão em dia), resolvi fazer a primeira lição: desenhar um objeto de valor sentimental... Como eu sou "rebelde", não fiquei com vontade e decidi desenhar meu marido jogando Battlefield 3 no computador, que algumas vezes é muito mais imóvel do que muito objeto.

A próxima lição de casa é documentar a semana dessa forma, e postar uma foto de alguma(s) das páginas por lá... Tenho que começar com isso.


SKETCHBOOK 120G
(HAHNEMUHLE)
Você encontra aqui!
Como eu disse que separei um sketchbook diferente para isso -- diferente do Tilibra que eu estava utilizando para os sketchs um pouco mais trabalhados -- achei interessante mostrar qual. Estou usando o Hannemuhle 120g de capa preta (tamanho A5, um pouco maior que um Moleskine Large). Ele não foi feito para técnicas úmidas, mas até que aguenta bem uma leve aguada com aquarela ou nanquim...  Mas em compensação, estou usando uma caneta da Cretacolor (está aí abaixo), que é baratinha, bem gostosa mas... Nesse papel ela vaza para o outro lado então... Amanhã ela provavelmente será substituída por uma esferográfica preta.

Essa caneta você encontra aqui!

De resto, esse foi um começo nem um pouco ambicioso... Mas ainda não sei se o que mais vale é sketchbook preenchido, ou sketchbook preenchido direito... Dizem que é nosso papel garantir a quantidade, e de Deus a qualidade... Então estou terceirizando muito o trabalho para ele, coitado.

sábado, 12 de julho de 2014

Pisando em águas desconhecidas...

Sketchbook Skool começou em 04/07, e no momento eu me pergunto onde eu estava com a cabeça de gastar R$ 245,00 nisso. Não, o curso não é ruim... O ruim é gastar esse valor apenas por motivação; e ainda não saber como passar por um certo preconceito que eu tenho em relação a "Art Journals". É realmente isso que eu quero fazer, artisticamente falando? No meu outro blog, eu estava discutindo que talvez fosse a hora de me conformar com a extensão das minhas capacidades "artísticas" e sentar alegremente ao lado das tiazinhas que fazem pinturas a óleo de cavalos para colocar nas paredes de pizzarias e restaurantes... Em menos de um mês eu estou fazendo 34 anos e, chega uma hora em que você tem que aceitar que muito que você desejou e sonhou para a sua vida simplesmente não vai acontecer. Sinto muito se essa "vibe" para baixo deixa triste alguém que passe por aqui em busca de "inspiração", mas é assim que eu me sinto ultimamente, e é isso que está refletindo negativamente na quantidade de postagens não feitas nesse blog.

Rabisco - 01/10/2011
Olá! Eu sou uma "arte naif";
que veio lá de 2011
para assombrar você!


De qualquer forma, acabei resgatando um Sketchbook de 2011 no qual eu só tinha utilizado uma página com a Arte Naif ao lado (sim, eu tenho vergonha de dizer que vários desses existem, ao longo dos anos, que quando você não sabe muito bem o que está fazendo, o melhor é chamar de Arte Naif mesmo, rs)... Ele aguenta bem aquarela, e como a ideia é fazer um diário com o dia a dia em alguns materiais diferentes... Bem, mais diferente do que eu estou acostumada, só aquarela.

E aquarela é uma tristeza a parte... Comprei uma Talens Van Gogh há uns 02 anos, de 15 pastilhas, ótima aquarela -- para o dia em que eu aprendesse... Mas aí eu moro em uma casa muito úmida, e toda vez que vou olhar a aquarela ela deu uma mofada em cima... E lá toca eu limpar todas as pastilhas com extremo cuidado para perder o mínimo de tinta possível. Acabei chegando a conclusão que, se eu não usar ela agora, mesmo sabendo "meiaboquisticamente" como utilizá-la, guardá-la para o futuro é quase garantia que ela não verá a luz do dia.

Detalhe do detalhe desenhado na primeira página depois de 2011
para dizer que dalí para frente eu estaria pisando em 2014.
E aí, para não ficar completamente travada, eu rabisco essas tranqueiras, que em minha defesa eu não gostaria de compartilhar nem com um terapeuta tentando entender a minha mente...O que me leva a repensar a questão do "compartilhar tudo"... Há 06 anos atrás quando eu realizei o desafio do Zen Habits e desenhei durante um mês inteiro, qualquer coisa, compartilhar tudo tinha sentido. Hoje em dia, no entanto, eu tenho as minhas dúvidas...

Preferia mostrar apenas quando eu faço coisas assim:

Rascunho 29

Ao invés de coisas assim.



sexta-feira, 6 de junho de 2014

Ferrugem e Ossos

Ainda comprometida com a ilusão de que esse pode ser o ano mais produtivo em relação ao desenho, eu me apercebo que fazia quase um mês que eu não colocava o lápis no papel -- e que assim iria ficar difícil... Então em resolvi passar para a próxima referência separada no sketchbook... E a ferrugem e a minha total ignorância sobre o básico em anatomia, ambos, levaram o melhor sobre mim.
Identifica-se quem não é profissional pela inconstância: na quantidade de produção e na qualidade do resultado.
De qualquer forma, no topo das promessas não cumpridas, tentei criar uma nova -- não aceito ficar nem mais um dia nesse ano sem desenhar! Desenhar é algo que, em teoria, eu consigo fazer enquanto a minha bebê está acordada, pois consigo ir e voltar sem muito problema, com quantos minutinhos tiver -- trabalhar já é algo mais complexo que requer blocos de concentração maiores.

Mas admito que dá um "tilt" na minha cabeça desenhar antes de ter produzido qualquer coisa no dia que ajude a pagar as contas -- ainda mais quando tenho tanto para fazer.

O rascunho que ilustra esse post:


10-365
Sem grandes comentários... Tudo enferrujado, tudo fora do lugar.

sexta-feira, 9 de maio de 2014

O que fazer com um lápis n.º2?

O lápis n.º2 que não foi ferido de morte durante a execução desse rascunho.

De volta ao mundo dos vivos por aqui, e começando de verdade o sketchbook em 2014... Afinal de contas, é apenas Maio.

Ainda estou aprendendo a lidar com o sketchbook da Tilibra: a folha é um pouco mais áspera do que eu estou acostumada, então os sombreados não saem tão acetinados quanto costumavam sair no sketchbook da Sterling que eu usei no ano passado.

Como eu havia dito em posts passados, felizmente agora eu aprendi a scanear meus desenhos à lápis... Mais precisamente, não é que eu aprendi -- é que antes eu utilizava o programa padrão do meu Scanner HP, e agora eu uso o VueScan em sua versão gratuita, e ele é muito mais inteligente para esse tipo de scaneamento.

Vítima (referência), arma (lápis)
e resultado do crime (rascunho).
Outra coisa que eu quis fazer por aqui, só de birra, foi fazer o desenho inteiro com um lápis n.º2 simples, desses escolares... Eu tive um professor de desenho há algum tempo atrás que tinha como missão pessoal desacreditar a qualidade dos produtos Faber Castell... E eu assumi a missão pessoal desacreditar essa baboseira dita por ele. Não só porque a Faber Castell tem linhas específicas (a vermelha é escolar, a azul é amadora e a verde é a profissional), mas porque tirando alguns casos extremos, a qualidade do produto está mais no artista do que na ferramenta utilizada.

Isso não significa que o meu desenho está uma obra prima... Muito pelo contrário, você pode ver em relação a referência mas... Se você quer aprender a desenhar de verdade, é muito pouco provável que você precise de algo mais que folhas de papel e um lápis... Qualquer lápis.

O rascunho que ilustra esse post:

Rascunho 08/365
Rascunho 08/365 em 2014... Ainda na esperança dos 365!
 

segunda-feira, 17 de março de 2014

Mamilos pro Zuckerberg!

Feliz Saint Patrick's Day a todos! 

Como São Patrício expulsou as cobras de toda Irlanda, espero que ele possa pelo menos expulsar as minhocas da cabeça dessa que vos fala.

Estava pensando em deixar esse rabisco tosquinho sumir numa pilha de próximos a serem postados mas... Desde 11/03 ainda não consegui essa coisa supervalorizada de "próximos"... E como eu vou voltar agora com os meus rabiscos um pouco mais zelosos como do ano passado (vou deixar essa coisa de "Art Journaling" mais escondida até ganhar volume para o que há de ruim passar despercebido), é provavel que esse rabisco destoasse um pouco das próximas postagens.

Mas existe uma série de motivos para postar isso por aqui (daqueles motivos que provavelmente me deixam feliz, mas não fazem a mínima diferença para você querido leitor -- ou será que faz?):
  1.  Depois de anos de luta, consegui um software no Photoshop que faz com que o scanner "enxergue" direito desenhos a lápis... Aproveitei até para re-escanear alguns do ano passado que me deixavam muito descontente com o resultado.

  2. O bom de você ter sua própria plataforma, é que você põe aquilo que lhe apetece, diferente do que você poderia fazer no Facebook, por exemplo! Tome esses mamilos Mark Zuckerberg!

  3. Desenhei minha caneca predileta num dia... Quebrei a dita cuja no outro depois de 03 anos... Acho melhor tomar mais cuidado... Não com a caneca, mas com aquilo que desenho.
Bem, é isso!
Na próximo venho com notícias sobre os livros.

07/365
07/365 - Ainda nessa de tentar aprender o tal do "Art Journaling".