Mostrando postagens com marcador Estudos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Estudos. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 20 de maio de 2013

01 Sketch para 01 Pomodoro (25 minutos).

Maio estava passando em branco... Então resolvi me voltar para a minha meta de desenhar pelo menos 25 minutos (01 Pomodoro) por dia para ver no que dava. Deu no que eu imaginava -- estou lenta, e continuo tentando sombrear o desenho antes que ele esteja nesse ponto.  Algumas pessoas tem um desenho baseado em linhas, outras um desenho baseado em tons e eu definitivamente me encontro no último tipo.

Ontem eu estava assistindo a esse vídeo no canal do Will Terrel que é um artista cujo estilo eu gosto bastante, e acho que ele fala um pouco da minha crise: meus olhos estão mais afiados para perceber defeitos do que para corrigir meu próprio desenho. É frustrante perceber o grande número de coisas erradas no seu desenho e não fazer ideia de como corrigir. Pelo menos por enquanto.

O rabisco que ilustra esse post...

Rascunho 36
25 minutos rabiscando

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Empacou no desenho? Atacando a curva de aprendizagem.

Quanto é preciso piorar antes de melhorar? Estou tendo essas discussões internas como uma esquizofrênica por conta do desenho. Pelo que se espera da curva a aprendizagem, toda vez que iniciamos o aprendizado de uma habilidade, a melhora inicial é sentida -- é fácil ir do nada a alguma coisa e se sentir motivado por esse pequeno progresso... Mas aí o tempo passa, você percebe uma certa melhora e... As coisas continuam assim por um tempo -- muito tempo às vezes. Estou naquela fase em que você sabe o quanto não sabe e, se você não tomar cuidado com essa fase, ela pode ser bem debilitante para a autoestima.

Mas como lidar com a maledeta curva de Aprendizagem?

Tenho pensado em algumas abordagens que podem ser úteis também para quem se sente empacado em suas habilidades desenhísticas ou em outras áreas.

Primeiro passo: Voltar ao básico.


Para aprender qualquer coisa, não devemos supor que sabemos mesmo o básico -- devemos nos certificar. Quantas vezes tentamos resolver um problema desconsiderando algo que era "impossível de ter esquecido" (como aquelas pessoas que ligam para o suporte técnico para dizer que o computador não está funcionando, esquecendo de verificar se ele está na tomada). Em desenho isso pode significar uma atenção maior é focada em aspectos como: linha, relação entre objetos, contorno, luz e sombra, composição etc., mas pode ainda estar relacionada a algo muito mais básico: você está utilizando o material correto? Já tive vários colegas de desenho que tentavam conseguir um desenho altamente sombreado, com diversos tons de cinza utilizando folhas de sulfite Chamequinho e lápis número 2 de escrita. Utilizar esses materiais não irá impossibilitar seu aprendizado mas... Com certeza irá ter um impacto considerável no resultado que você pode esperar, e você deve estar ciente de qual impacto será esse.

No meu caso, está faltando paciência e processo! Estou muito afoita para terminar e esqueço que primeiro é preciso medir tudo bonitinho e bem leve... Depois começar a sombrear, devagar e sempre. Internalizar isso será possível apenas com um comprometimento de Yoga.

Segundo passo: Escolha um guia.


Lessons in Classical Drawing: Essential Techniques from Inside the AtelierTeoricamente, estou utilizando o DTO (Drawing Tutorials Online - http://www.drawing-tutorials-online.com/) como base de estudo. Digo "Teoricamente", pois faz algum tempo que eu não assisto o meu vídeo diário. Comprei há alguns meses atrás esse livro da foto, o "Lessons in Classical Drawing" e gostei bastante - eu sou uma velha de alma e queria mesmo ter estudado em uma atêlie no estilo mais tradicional possível, então a abordagem do livro caiu como uma luva. Estou querendo adicioná-lo a minha linha mestra para conseguir seguir os temas necessários em uma ordem que faça sentido. Para ajudar, o livro vem acompanhado de um DVD com apoio aos principais temas - e com algumas breve entrevistas bem interessantes.

Terceiro passo: Comprometa-se.


Compromissos tem que fazer parte da agenda. No começo do ano eu me comprometi a desenhar um Pomodoro por dia. Por diversos dias eu esqueço esse compromisso, ou não consigo encaixá-lo no dia. Estou percebendo que o melhor a fazer, além de me comprometer com um tempo mínimo é me comprometer com um horário específico... E mantê-lo.

Quarto passo: Avalie.


A melhor forma de acompanhar o seu desenvolvimento é estabelecer e acompanhar indicadores. Esses indicadores podem ser quantitativos (quantos dias eu desenhei por semana, quantas horas eu gastei etc.) ou qualitativos (embora nem sempre a gente esteja apto a analisar objetivamente a melhora na qualidade da produção). Por hora, eu prefiro acompanhar da quantidade... E deixar que a qualidade se acerte com o tempo.

O rabisco que ilustra esse post...
Eu não ando gostando dos meus desenhos... Não vejo harmonia nas linhas, vejo o "levemente torto" das partes que compõe o rosto. Além disso, há uma certa falta de paciência no sombreamento que me irrita. Preciso trabalhar minha calma...

Rascunho 35

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Abril - o mês que tudo termina, mas nada acaba.

Acho que o resultado de cada mês tem um sentimento específico, todo especial. O de Abril, aparentemente para todas as coisas, é que tudo chega ao fim - mas nada realmente acaba. É como um "Mortal Kombat" no qual você desiste ao escutar "Finish Him!". Provavelmente estou "viajando", mas... Os desenhos sentem... Eu começo, a coisa chega na metade e de repente o que eu sinto é que "deu, não deu?". Talvez eu esteja trabalhando grande demais para o meu tempo disponível, ou talvez eu esteja sofrendo apenas de preguiça aguda -- o que é muito mais possível. Gostaria de dizer que isso está sendo um oásis no deserto do estresse mas... Não chega nem como miragem. Quem sabe Maio tenha uma vibração um pouco melhor? Fico na expectativa.

O rabisco que ilustra esse post...

Rascunho 34

terça-feira, 9 de abril de 2013

Destruindo algo belo!

Ontem eu estava com 40 minutos disponíveis, e nenhuma vontade. Sabe aqueles dias em que as coisas para fazer são pesadas, você faz um monte e ainda sente que está devendo -- ou que não fez diferença para ninguém? Então... Esses dias.Como na minha lista de referências para terminar o sketchbook estava essa que eu tinha me arrependido de colocar (a foto original quase não tinha nenhuma sombra, chapadona mesmo), resolvi aproveitar para dar cabo dela...

Comecei desenhando a lápis... Não gostei... Comecei a fazer a nanquim... Também não gostei... Aí eu apelei pra canetinha de criança... Continuei não gostando mas pelo menos foi bem terapêutico no que se refere a dissipar a raiva - e muito libertador com relação ao sketchbook, que afinal, deve estar preparado para lidar com todo tipo de tralha, rs.

O rabisco que ilustra esse post...

Rascunho 33

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Quando as coisas não andam!

Estive bem desanimada essa semana, e isso acabou aparecendo no desenho. Eu sei que quantidade não significa qualidade, mas sou partidária da recomendação "Eu cuido da quantidade, Deus cuida da qualidade"... Então quando eu vejo que 1/5 do mês já se foi, e eu só tenho dois rabiscos meia boca, que eu não conseguia terminar só por conta de desânimo... Bem o ciclo vicioso se alimenta.

Por mais que sentar e brincar de rabiscar seja relaxante, não é relaxante o suficiente para substituir uma prática de meditação - pelo contrário, desenhar, como eu já disse outras vezes, faz eu pensar numa série de questões e vidas não vividas (como diria o Contardo Calligaris) que eu arrisco dizer que tem um efeito ainda mais debilitante. Então não dá para encarar o desenho de maneira "leve" como eu tenho feito.

Ou eu abandono de vez essa parte da minha vida - coisa que eu não sou capaz de fazer sem encarar o tipo de dor que se trata aqui - ou eu assumo uma postura profissional. Não uma postura profissional como a da minha vida profissional atual, na qual a grande questão se tornou "como maximizar o lucro da empresa?", mas uma postura condizente com quem decidiu se profissionalizar em uma área e irá buscar melhora constante.

Ainda buscando ideias!

O rabisco que ilustra esse post...

Rascunho 32

quarta-feira, 3 de abril de 2013

"Jack, I want you to draw me like one of your french girls..."

Ok, eu não resisti à piada... Até porque desde que Titanic voltou aos cinemas em 3D, pra todo canto eu vejo uma piadinha sobre a citação do título - e eu não consigo resistir a uma piada batida, rs. O rabisco desse post, o mais inacabado dos últimos tempos, levou um pouco de tempo no dia 01/04 e mais um pouco ontem... Não quis prolongar mais porque o tempo está curto (muito trabalho) e não acho que o resultado justificaria o esforço - foi mais uma tentativa de ver como vai a anatomia (vai tão mal quanto a minha rinite atacada) e desenhar qualquer pessoa em algo mais do que do pescoço para cima.

Meu lindo amor não gostou dessa história de eu ficar por aí desenhando homem pelado (Pô, só o menino do livro de referências fotográficas...) e quem sabe assim aceite melhor sua sina de futuro modelo vivo particular - sonhar não custa nada mesmo.

O rabisco que ilustra esse post...
Estou cada vez mais convencida que eu preciso gastar umas duas horinhas no curso de técnicas de scaneamento da Lynda.com - você pode não acreditar, mas esse curso existe, olhe só - pois no caso desse desenho, o original está um pouco melhor que essa cópia (sombras mais contínuas e acetinadas). Em todo caso, isso não melhora a anatomia, que está fraca mesmo... Eu desenho bonecos de cera sem ossos, rs. Mas tudo bem... No final de semana a Designer Instrucional aqui vai elaborar alguns planos de prática deliberada para as principais questões de desenho que ela vem diagnosticando - vamos ver no que dá.
Rascunho 31

sábado, 30 de março de 2013

Ao meu redor

Tenho muito trabalho acumulado para esse feriadão, então é possível que eu não consiga desenhar mais do que isso - então aproveitei o final da sexta-feira para colocar o sketchbook cada vez mais a caminho do seu fim... Que espero que aconteça em breve, faz mais de 02 anos que eu não termino um sketchbook...

Sei também que eu não estou sendo muito condizente com a função de um caderno como esse, que é na verdade cometer erros (essa parte, ok), arriscar o que vier na cabeça e não tentar finalizar trabalhos. Mas acho que eu ainda estou na fase de fazer trabalhos para a mamãe ver (aqueles que a mãe acha lindo enquanto todo mundo que trabalha com isso consegue ver os defeitos). Existem muitas melhorias que eu poderia atacar sistematicamente (como já disse em posts anteriores diversas vezes) mas eu ainda estou na fase do "make me believe!".

O rabisco que ilustra esse post...
Em relação a referência original eu diria que esse desenho ficou levemente estranho... Parte do problema sentido foram os brincos - que não faziam sentido algum para mim e foram praticamente impossíveis de reproduzir - tanto que quando o desenho chegou ao fim, eu vi que desenhei cada um de um jeito. A lição que fica é que alguns temas/detalhes são muito delicados para serem trabalhados no tamanho A4 por quem está com uma mão tão pesada como a minha anda. Também não gostei dos braços: não consegui reproduzir a perspectiva da referência então ela parece ter ficado com ombros de nadador.

Rascunho 30

quinta-feira, 28 de março de 2013

"Olhos nos olhos, quero ver o que você faz..."

Não sei se é produtivo... Quer dizer, eu sei que não é, mas... Só consigo parar para desenhar. Normalmente em fases deprê eu escrevo, escrevo, escrevo e analiso. Mas dessa vez, acho que estou quebrada - ou muito cansada - e simplesmente não há palavra que resolva; melhor me fechar e desenhar.

Não me pergunto mais "será que devo largar tudo e ir trabalhar com desenho?". Até porque, como diz minha irmã "quando você está no buraco tem que parar de cavar" - e além de eu não ter capacidade para trabalhar como ilustradora no momento, mudar para esse lado da coisa seria cavar: nas áreas referentes a criação, as visuais costumam ser as menos valorizadas - e eu especialmente despreparada para lidar com críticas não construtivas, então melhor continuar com a função como hobbie por enquanto.

Mas que jogar tudo pro alto e ficar somente desenhando por umas duas semanas me faria muito bem, faria.

O rabisco que ilustra esse post...
A principal diferença nesse foi o tempo dedicado... 04 horas, 04 horas e meia sentadinha de frente para a televisão trabalhando nesse. Quando eu estou deprê - e sem querer atrapalhar o namorado que está bem ocupado essa semana, a coisa rende...

Rascunho 29

quarta-feira, 27 de março de 2013

Tente outra vez...

Versão 2013
Pausa no projeto família - e acho que por um bom tempo, porque falta apenas o meu amor e eu acho que ele merece que eu esteja com um pouco mais de habilidade. Por conta disso, decidi fazer um "make over", refazendo um desenho do ano passado.

Eu tenho uma certa "superstição" com relação a refação de desenhos - existe uma foto que eu guardo, de um antigo catálogo da Mesbla (sim, eu sou velha), que até hoje eu não consegui dar o tratamento que eu esperava - e toda vez que eu tento superar a anterior, eu acabo "bloqueada" por meses. Então eu normalmente não gosto de rever questões já tratadas. No entanto esse estava na fila exatamente para "avaliar melhorias", então resolvi pegá-lo. Tudo bem que isso estava previsto daqui uns 30 desenhos mas tudo bem... Não estava com vontade de seguir a sequência.

Rascunho 35
Versão 2012

Sinceridade? Não gostei absolutamente nada da versão 2012... E a minha paixão não mudou muito com a versão 2013. 

Estou cada vez mais convencida que o que eu realmente preciso fazer não dá post: preciso praticar a escala de sombreamento com 10 tons, preciso praticar a modelagem de círculos, cilindros etc. E mais básico e fundamental do que tudo: praticar fazer as medições corretas antes de sair sombreando como doida - realmente como doida pelos resultados.

Tenho tentado acertar só de olho, mas está claro que o meu olho está muito descalibrado. Nesse ritmo, é mais fácil desenvolver manias do que conseguir avançar. Um pouco de prática deliberada nunca fez mal a ninguém.

Será que a essa altura eu consigo simplesmente parar e ficar fazendo escalas, sombreamentos e cópias de formas simples? Não sei, mas preciso.

O rabisco que ilustra esse post

Rascunho 28
Ainda não chegou lá... Mas vou parar por aqui em 2013 com essa modelo.

terça-feira, 26 de março de 2013

João Henrique!

Hoje é uma marca muito especial nesse blog! Nem só de penúltimo trabalho do "Projeto Família" essa data especial vive. Na verdade, desde que eu comecei esse blog, por mais que ainda não tenha conseguido atingir a minha meta inicial de 25 minutos de desenho TODOS OS DIAS, eu coloquei alguns "marcos" no meio do caminho para ter certeza que a coisa estava andando. Um deles, foi o levantamento das produções anuais - quantos estudos eu coloquei as mãos em um ano.

Tenho valores aproximados dos últimos 20 anos. Não são valores absolutamente reais porque muita coisa de anos anteriores caiu no lixo antes de ser escaneado e publicado no meu Flickr - acessos de raiva misturados com rompantes de "vamos dar um jeito nessa bagunça" são os principais culpados disso mas... Mesmo assim, eu consegui fazer um "Top 20" dos últimos 20 anos.

Com o desenho do primão que aparece por aqui, esse ano acaba de passar para o Top 10 dos melhores anos, na décima posição - "O que, todo esse alarde por uma misera décima posição?" é o que você pode estar pensando... E pode até estar certo. Mas com essa marca eu já sei que esse ano não vai estar, pelo menos nesse aspecto da minha vida, na companhia dos mais tristes e improdutivos. E dados os baques que tenho tido em diversos outros aspectos da minha vida, isso já é notícia boa o suficiente.

Encontrando inspiração.

Uma das maiores recomendações que o professor do DTO dá, é ter uma referência que te inspire até onde você quer chegar - e eu acho que quando falo de retratos, uma grande inspiração é uma imagem como a que está a seguir - tem vida, personalidade (e uma capacidade técnica fora de série).
Desenho com Esferográficas, por Samuel Silva.
Roubado de: http://goo.gl/uDPw2
Adorei a descrição sobre esse trabalho no site de origem:
"Created either with just pencil or ballpoint pen, these incredible works of art show that it doesn’t matter what tools you use, it’s all about your God given talent and/or carefully honed skills."
Todo mundo que rabisca um pouco sempre se pergunta, em um ponto ou outro se é apenas uma questão de talento/dom ("a God given talent) ou prática (a "carefully honed skill"); mas pensando bem, não importa muito - se você coloca muito tempo em algo, aquilo passa a ter muito valor - e se for apenas um "dom" também não deveria ser tratado com o mesmo cuidado?

O rabisco que ilustra esse post...

Eu sinto que sacanei um pouco o João por aqui... Dado que ele é o meu primo mais velho (depois de mim), e que tinha mania de me morder extremamente dolorido quando eramos pequenos, vou dizer que estamos quites! rs.

Rascunho 27

domingo, 24 de março de 2013

Heloísa!

Três gerações representadas no meu projeto. Primeiro foi minha Tia Ivone Carvalho (por parte da minha mãe). Depois, minha prima Anna Luisa, e agora sua filha: Heloísa! A Helô está quase para fazer 07 anos e não tem muito contato com a prima aqui - por conta disso eu tomei cuidado de escolher uma foto de referência na qual ela está muito linda - assim se eu sacaneasse (involuntariamente a falta de habilidade sempre sacaneia um pouco) ela não sofreria muito - espero que se ela entrar em contato com isso um dia desses, pelo menos não se sinta muito envergonhada.

Agora só faltam 02 no projeto (meu primo, e meu amor). E eu não vejo a hora que acaba - assim posso evitar essa história de me preocupar com semelhança por algum tempo. Depois disso, quero focar em preocupações mais técnicas (como um sombreado mais uniforme, e uma melhor distribuição dos tons). É isso!

O rabisco que ilustra esse post.

Primeira lição que eu tiro aqui: preciso muito limpar o vidro do Scanner - esses pontos pretos no meio do fundo branco não são ilusões de ótica do seu monitor, rs.

Rascunho 26
"Tão nova, e já fui vítima"

terça-feira, 19 de março de 2013

Anna Luisa

De volta ao projeto família com a grande constatação de que... Faltam 03, rs. Eu tinha essa singela ilusão de que depois que eu começasse a desenhar com uma certa regularidade a velocidade iria aumentar - mas está acontecendo exatamente o contrário. Acho que em grande parte, porque você começa a perceber o quanto ainda não sabe e fica um pouco abalada pelas simplificações que faz.

Por conta disso, acabei acelerando demais esse - estava com medo de passar mais uma semana alisando as sombras para tentar resolver problemas mais originais - como a falta de uma medição precisa. Acho que acabei ignorando o meu mantra "Trust the Process". E sempre que você pula etapas no processo, o resultado final sente.

O rabisco que ilustra esse post...

Não gostei da semelhança... Acho que envelheci a Luli e não capturei o seu rosto redondinho e seu sorrisão sempre aberto. Preciso tomar vergonha na cara e começar a fazer medições sérias antes de começar a sombrear - esse método "vamô que vamô e vejamos no que dá", não está sendo muito útil.

Rascunho 25
"Eu estou assim perdida porquê você omitiu meu apoio dos dois lados".

sábado, 16 de março de 2013

A vida é muito curta para papéis ruins...

Dei uma pausa, nem que seja por um rabisco, no projeto família. Não diria que foi uma completa ideia de jerico começar o projeto mas foi completamente imbecil deixar a família ciente antes de terminar. Ou pelo menos antes de uns 02 anos depois que eu tivesse terminado. As pessoas criam expectativas, e eu não queria criar expectativas. Queria apenas que depois de alguns anos rabiscando algumas coisas aqui e acolá, eu tivesse algo com um pouco mais de significado do que simplesmente lidar com fotos de estranhos em revistas...

Mas sabe? Lidar com fotos de revistas sem nome e sem ligação pessoal parece um caminho mais adequado para o sossego.

Aproveitei que eu já estava cansada do papel liso e sem graça do sketchbook para começar um novo bloco de papel da Canson que eu estava guardando há algum tempo. E é muito diferente mesmo desenhar em um papel que está muito melhor preparado para o grafite, para uma borracha recorrente e para a ida e volta necessária. Fiquei nesse desenho algum tempo todos os dias nos últimos 04 dias... Dificilmente eu consigo tempo em um dia para terminar algo como isso em apenas um dia. Ou seja, não sei nem porque guardo tanto os papéis um pouco melhores (sem falar dos bem melhores). Tenho medo de desperdiçar mas... Mesmo que eu fosse extremamente produtiva, seriam 365 folhas em um ano; algo como 18, 19 blocos no ano. Gostaria de poder dizer que eu tenho menos que isso na fila mas, a loucura acumuladora é grande - então eu poderia ficar desenhando um ano sem visitar a loja de materiais... Então por que tanto zelo não é mesmo?

O rabisco que ilustra esse post...

Voltando aos desconhecidos de folhas de revista. Achei que o resultado desse desenho foi "agradável". Quanto mais eu rabisco, mais eu vejo as falhas que eu tenho que corrigir - mesmo que ainda não saiba exatamente como - por exemplo: várias regiões do desenho estão chapadas, e não tem o aspecto tridimensional adequado.

Ainda não fico satisfeita também com as gradações de cinza, que gostaria que fossem mais suaves. Outra coisa que me surpreendeu, é a falta de cuidado com as medidas básicas - eu fico querendo treinar o olho, e acabo perdida nisso. Nesse caso por exemplo, referências e rabisco eram do mesmo tamanho - no entanto, horas depois de começar eu percebi uma diferença grosseira nas medidas (o rosto do desenho estava extremamente mais curto do que da referência). Mas a minha mania de ter desenhos "para mamãe ver" não me deixou parar e recomeçar. Deixei como estava, e melhor sorte na próxima.

Rascunho 24
Semelhança ainda precisa ser trabalhada,
mas é um alívio um pouco de textura no papel para variar.

terça-feira, 5 de março de 2013

Tio Honorato

Vítima do dia: Tio Honorato. De longe o desenho que mais demorou e que menos apareceu - consegui ficar desde o dia 28/02 alisando esse desenho com lápis HB, B, 4B - e não consegui que ele aparecesse da maneira que eu gostaria na folha. Parei não porque cheguei ao fim, mas simplesmente porque eu cansei. Faltam ainda mais quatro vítimas na família, e nesse ritmo acho que vai todo o mês de Março para terminar (espero que não).

O que eu estou aprendendo com isso? Eu já tenho muito mais consciência das minhas deficiências e pontos que eu devo reforçar quando terminar esse projeto - o primeiro deles é a minha capacidade de modelagem - entender melhor como as formas são sombreadas e... Parar de preguiça e ter a paciência para gastar o tempo necessário no sombreamento. O segundo tema de exploração e questão da estrutura. Acho que esses desenhos teriam muito a ganhar se eu tentasse construí-los não só pelos contornos, mas pela estrutura de um rosto.

O rabisco que ilustra esse post...

Rascunho 23

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Tia Ivone Carvalho

De retrato em retrato, parece uma loteria se vai dar certo ou não. No caso da família, eu não estou utilizando nenhuma das ferramentas que as pessoas normalmente utilizam na hora de fazer retratos (leia-se, o bom e velho quadriculado) uma vez que a ideia é treinar a observação mas... Em momentos como esse, eu fico triste pela minha "modelo", pois foi possível apenas alcançar uma leve semelhança. Depois de desenhar minha mãe, minhas irmãs e agora a minha tia (e já saber qual foto está escolhida como referência para minha prima), eu posso dizer que as mulheres Carvalho são clones - e parece que eu clonei os erros também na hora do desenho. Tanto na minha mãe quanto na minha tia, eu alonguei o rosto mais do que o necessário, e a semelhança se perde um pouco.

Para a minha tia eu acho que a situação foi um pouco pior pois as sombras que deveriam definir o rosto acabaram nada lisonjeiras.

O rabisco que ilustra esse post...
Não foi uma questão de tempo... Fiz esse em dois dias, umas duas horas em cada dia. Dou um 5 de 10 para mim.

Rascunho 22
Tudo bem tia... Direito a um extreme makeover (refazendo o desenho)

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Deborah...

Projeto família de volta ao ar, depois do desenho mais temerário (a pessoa mais cricri da lista, agora tudo fica fácil, rs). Demorei para desenhar a irmã caçula... Porque eu sabia que ela teria algo a dizer sobre a referência e porque... Tem essa dog muito simpática na foto também... E eu tenho pavor de desenhar animais peludos (todos ficam filhos do Chubaca).

Mesmo assim, saiu... E agora eu já posso retornar a nossa programação normal (que eu gostaria que fosse um desenho por dia mas... Ainda estou acostumando com essa história de desenho, academia e trabalhos atrasados, tudo na mesma noite de algumas horas).

Mas vamos que vamos!

O rabisco que ilustra esse post...

Rascunho 21
"Eu e a minha pequena Chubaca!"

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

De volta... Será?

Depois de um período de férias forçadas, estamos de volta (será?). Não estava afim de voltar de cara ao projeto família, então eu fiz esse rabisquinho. Para dizer a verdade, estou um pouco desanimada com o projeto família. Estava esperando alguma reação a ele - não necessariamente que as pessoas envolvidas amassem, poderiam até odiar mas... Todo mundo ficou indiferente... E indiferença é pior do que reações fortes em qualquer sentido. Mas que seja: faltam 07 desenhos e vamos acabar com isso logo. Afinal, não dá pra ficar em um tema só para sempre.

Acabei folheando algumas revistas em busca de referências mas já estava um pouco sem paciência de sempre estar desenhando a partir de referências - então quis desenhar algo de imaginação - o problema é que a minha imaginação é limitada, e eu sempre imagino a mesma posição, rs.

O rabisco que ilustra esse post...
Nesse rabisco deu vontade de fazer o fundo cor de rosa - será o fim da série "CMY"? rs.

Rascunho 20
Fugi da década de 1960 com esse cabelo.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Caique em dobro!

Bem que eu tentei... Estava tentando fazer o melhor possível nesse projeto família, e embora a semelhança não estivesse 100%, estava feliz com os 70% que eu estava conseguindo. Até que chegou no primão... Tentei uma no domingo/segunda... Não gostei. Tentei outra na segunda... Não gostei também. Mas como tem mais gente da família na fila, vou parar por aqui por hora.

Também estou começando a ficar sem paciência para o sketchbook. Ô folha lisa dos infernos... Eu fico boa parte do tempo sombreando, e aquele papel parece não querer grafite sobre ele. Pelo menos não do bom, em qualquer caso.

Tenho feito uma pesquisa "visual" em sites de artistas que trabalham por retrato sobre encomenda... Mesmo eu não gostando do estilo "esfuminho em tudo" e desenhos com grade (ou quadriculado, como preferir), pela minha pouca experiência nesse último mês, estou vendo a utilidade. Enquanto você está fazendo um projeto "família" e voluntário, quanto mais semelhança você consegue, melhor - mas não há uma obrigação com o resultado. Para quem tira o seu ganha-pão disso, sem dúvida é preciso utilizar algumas técnicas para garantir o resultado... Não dá para contar simplesmente com a sorte.

Os rabiscos que ilustram esse post...
Duas tentativas, e eu ainda não estou satisfeita com nenhuma... Vai demorar assim.

Rascunho 018
Tentativa 01


Rascunho 019
Tentativa 02

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Tia Ivone

Pega boquiaberta também.
Voltamos a nossa programação normal, ainda no projeto família com o rabisco da minha Tia Ivone (também carinhosamente conhecida como "Tia Ivone do Tio Beto". Sei que já disse isso algumas vezes e está virando lugar comum mas... Estou surpresa com a falta de sombras nas fotos que tiro... Acabo espremendo o possível da referência mas na maioria das vezes a diferença de tons é muito sútil.

Ontem eu aproveitei o dia para selecionar as referências que irei utilizar nesse projeto - já escolhi a foto chave de todo mundo, já imprimi o que era necessário e mais importante: meio que fechei a ordem em que as pessoas serão desenhadas. Ainda fico surpresa com a resistência que se forma toda vez que eu consigo estruturar as coisas como um projeto de verdade mas... vamos lá. Faltam apenas 08 desenhos para cobrir a família próxima.

Depois disso eu tinha um plano de começar com o projeto "Amigos" - ele ainda não foi abandonado mas... Acabando todos esses desenhos em um único tema, quero brincar um pouco antes de passar para a próxima empreitada.

O rabisco que ilustra esse post...

Rascunho 17
"Não olho para câmera, não olho para câmera".

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Thayse

"Estou boquiaberta
com o resultado desse desenho!"
A modelo do dia é a irmã do meio (a mais velha, infelizmente, sou eu). E com esse rabisco chegamos ao último realizado até o momento - o que significa que hoje é dia de desenhar. Eu não sei se estou feliz com o nível de "semelhança" que estou conseguindo nesse projeto família mas uma coisa é certa: é bem mais fácil avaliar isso com pessoas conhecidas. Quando você desenha modelos e outras referências (sejam conhecidos ou não) tende a considerar o resultado muito mais pela cara do desenho final do que pela semelhança (que o digam os meus desenhos da Angelina Jolie, rs). Quando você conhece a pessoa, o resultado final ganha um outro significado.

Ainda existem 09 da família pela frente, e a gente segue... Agora o que está crítico é mesmo a questão da escolha de referências. Pelo menos esse projeto serve para outro: tirar algumas fotos decentes da minha família... Foto de gente fugindo não é a melhor política mesmo.

O rabisco que ilustra esse post...
Como o cabelo da Tatá pedia, nesse eu usei mais do que apenas um HB e 2B, e cedi a um 8B e um 6B. Não só o desenho como o meu pulso agradecem.

Rascunho 16
"Teve que me pegar de boca aberta né menina?"