Mostrando postagens com marcador Sketch Journal. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Sketch Journal. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Atualmente, no Sketchbook

Ando meio perdida sobre o que rabiscar no Sketchbook, então qualquer coisa está valendo -- e muito poucas agradando (especialmente esse vai e vem entre uma coisa mais realista e algo mais cartoon). Está faltando decisão de pegar uma linha de desenvolvimento para seguir (escolher um livro para estudar, um curso para seguir ou algo assim).

Ainda estou atualizando as imagens quebradas do Blog -- mais uma página de backlog e algumas postagens perdidas foram atualizadas. Logo logo tudo estará no ar corretamente e podendo seguir em frente.

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Não fui a lugar nenhum (literal e metaforicamente)

Rosto de Imaginação
Sketchbook Canson A5
Prismacolor Verithin Azul, Vermelho e Lavanda

Fui olhar o blog essa semana e fiquei surpresa que estamos chegando no meio do ano e eu praticamente não postei nada. O que mudou de 2017 para cá? Não muita coisa -- apenas desativei a publicação automática do Instagram aqui no blog, algo que mantinha o endereço mais "agitado".

Corri para o IFTTT para reativar a publicação e já estava feliz... Até que percebi que todas as publicações feitas dessa forma no ano passado não estão mais visíveis (e eu não faço ideia do porque, não atualizei nada no Instagram). Respirei fundo, me conformei que vou ter que voltar editando postagem por postagem para corrigir o problema... Tudo bem que não vai refletir no Feed, mas pelo menos garante que qualquer um que achar esse blog não vai achar que é maluco -- um blog sobre desenhar com as imagens todas quebradas.

Isso significa que tenho que ser um pouco mais "diligente" com o que eu posto no Instagram -- normalmente a ideia é postar lá e fazer uma postagem mais completa aqui mas... Assumo, nem sempre a preguiça permite, então demora... Além disso, nem sempre eu tenho algo para dizer sobre qualquer rabisquinho que eu posto online... Ás vezes é simplesmente o resultado da vitória do dia (Um "hoje eu consegui desenhar") e não há muito mais a dizer no dia -- e gosto de acreditar que é exatamente isso que está para mudar.

Esse blog esta no ar há alguns anos... Vai completar 06 anos em 1º de Setembro... E durante todo esse tempo ele tem sido levado como tudo em minha vida -- eu vou tocando, esperando que algum resultado especial aconteça, sem ter uma intenção definida do que eu quero que esse espaço seja. E se tem uma coisa que eu aprendi, de vez, no último ano é que que as coisas só se realizam com intenção -- na maioria das vezes não necessariamente da forma que você gostaria mas, precisam que vc imponha alguma intenção... Senão tudo mareia e desanda, não vira nada.

Ainda não tenho 100% da minha intenção definida para aqui, mas está quase. Para Julho, eu pretendo voltar por aqui mais regularmente. Se você estiver por aqui, a visita será bem-vinda.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Como recomeçar Sketchbooks abandonados?

Esse é o típico post: "Doidos do mundo, se unam a mim!". Quer dizer, é claro, se você compartilhar do meu nível de loucura. A história é a seguinte: eu acredito em skethbooks mágicos! Não mágicos no nível Harry Potter (ou talvez... Quase!), mas mágicos no nível: "quando eu conseguir o sketchbook perfeito, no momento perfeito, vou começar a praticar, desenhar, criar e não parar mais até quem sabe... Dominar o mundo!"

Momentos "Pink e Cérebro" à parte, a realidade é que não existem sketchbooks mágicos (infelizmente). Existe vontade, comprometimento, rotinas, hábitos, desafios -- ou a falta absoluta de todos esses itens. E no final das contas, mágica mesmo, só aquela que você consegue eventualmente fazer no papel. O resultado disso? Diversos sketchbooks começados e jamais terminados.

E é aí que a coisa fica mais louca...

E assim como eu acredito em sketchbooks mágicos, eu acredito em sketchbooks amaldiçoados... Ok, talvez o termo seja muito forte! Eu acredito em sketchbooks zicados: Você começa, não leva adiante, e o sketchbook fica lá com aquela cara de potencial não realizado, decepção e sonhos perdidos... E quem quer recomeçar um livrinho com toda essa carga negativa quando pode ir na loja, comprar um novo e acreditar que "Amanhã, será um lindo dia, da mais pura alegria, que se possa imaginar"? Provavelmente, não muita gente.

Mas tudo tem remédio nesse mundo...

E acabo de descobrir algo que pra mim, felizmente, resolve!
Prestem atenção no... EXORCISMO DE SKETCHBOOK!!!

Ok... Mais uma vez o termo é exagerado e o resultado decepcionante, rs. O que eu descobri é que simplesmente criar uma divisória bem marcada entre o que foi feito anteriormente no Sketchbook e o que está por vir faz o serviço de "ressetar" o caderno na minha alma... Eu consigo novamente olhar para ele como se nada tivesse acontecido. Apliquei um papel de origami no primeiro do inicio do ano passado com um pouco de fita azul (que me venderam como uma fita melhor para fazer máscara no papel mas que na verdade nunca mais sai dele, e eu já não sabia mais o que fazer com o resto do rolo) e voilà! Pronto para recomeçar como se nada tivesse acontecido.

Nesse outro sketchbook (2ª tentativa de sketchbook mágico do ano passado) eu levei a técnica do reboque origâmico a outros níveis de exagero mas... O sentimento de exorcismo foi o mesmo. Agora eles estão aqui sentadinhos na minha mesa, prontos para receberem novas tentativas.

Diga Adeus a Culpa!
Antes de encerrar, eu gostaria de dizer que, se você está pensando "Ah, mas eu não consigo dar conta de um sketchbook, imagine vários", eu gostaria de dizer: chega de culpa! Parei com esse negócio de me culpar por estar começando um pouquinho em cada sketchbook, e por uma razão bem básica: cada um é bom para uma coisa.

O Hahnemühle de capa vermelha da primeira foto é uma coisa maravilhosa pra lápis grafite e lápis de cor (se você não está procurando algo livre de textura), mas é péssimo pra qualquer outra coisa, mesmo tendo uma gramatura grossa... Até esferográfica vaza pro fundo do papel com o tempo. Já o Canson (preto) é ótimo para lápis, lápis de cor, esferográfica, nanquim (aguenta bem uma aquarela com pouca água) -- mas nesse modelo a encadernação não é tão maleável quanto o Hahnemühle ou mesmo  quanto um Canson ArtBook 180º. E nenhum deles lida muito bem com a minha mania de usar hidrográficas quanto o que eu mesma fiz com papel Bristol então... Cada um tem um lugar no meu coração. Isso se você não contar também que, com múltiplos sketchbooks há a possibilidade de dividi-los não só por técnicas mas por temas -- e até mesmo espalhá-los pelos locais que vc frequenta (mesmo que seja na sua própria casa).

Ou seja: levante esse sketchbook, sacode a poeira e dá uns riscos por cima.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

E lá vamos nós... De novo!


Não quero que esse seja mais um ano de rabiscos toscos e sem sentido mas... Parecem que eles me perseguem, rs. Está difícil voltar pra cá regularmente -- tem algo me incomodando com relação a praticar desenho de maneira eventual, que eu ainda não sei como abordar corretamente por aqui, e nem sei se devo na verdade. Vou tentar superar!

domingo, 23 de agosto de 2015

Sem cabeças para nada... Nem a minha.


Sim, é uma tristeza mas... Eu só tenho mesmo essas coisinhas feias para mostrar. Não é que eu não esteja pensando no blog, muito pelo contrário: a partir de amanhã, e com um acontecimento especial para dia 31/08 (É surpresa!), o blog ganha atenção especial mas... Desenhar mesmo, tem sido sofrido - esses rabisquinhos no sketchbook A6 da TeNeus tem sido tudo o que eu consigo fazer, enquanto tomo o meu leitinho pela manhã e a Lívia ainda não percebeu que a mamãe tem lápis/lapiseiras/canetas legais nas mãos.

Dica: Para quem está em São Paulo, e tem acesso fácil ao metrô, eu recomendo dar um pulo em uma das lojas Daiso (endereços aqui: http://www.daisojapanbrasil.com.br/). Como quase tudo por lá é 6,99 (a alta do dólar quebrou um pouco a coisa do "preço único"), tem uma caneta tinteiro bem legal por 6,99 - simples, mas funciona bem para quem quer ter uma pena para rabiscar sempre à mão.



Estou tentando me forçar a desenhar de imaginação ultimamente, mas está difícil... Ainda falta saber de fato o que eu gostaria de estar desenhando. Figura humana sempre alegra a moça aqui, então eu vou tentando.