sexta-feira, 8 de abril de 2016

Dois livros para inspirar seu lado desenhadeiro - BEDA #8

Se você está procurando inspiração para começar a rabiscar, os livros a seguir são um bom começo. Todos em inglês, já que lá fora o movimento pela manutenção de "art journals" é muito mais forte, mas mesmo assim, se você não domina a língua os livros ainda valem a folheada.


Everyday Matters - Danny Gregory
http://bit.ly/1VbGkrF
Impossível falar sobre inspiração para se aventurar no mundo dos rabiscos sem falar em Danny Gregory -- um dos criadores da Sketchbook Skool, e autor de vários livros do gênero (Creative License, Art Before Breakfast, An Illustrated Life etc.). Everyday Matters é o livro que deu inicio a quase tudo isso, e ainda inspirou muita gente a dar valor a cada dia, e a importância de colocar esse "momento artístico" no seu cotidiano.




 Artist's Journal Workshop - Cathy Johnson
http://bit.ly/25QeB2Y
Meu único arrependimento sobre esse livro foi ter compra-lo em e-book -- não há nada de errado com o ebook, mas as páginas são tão bonitas que eu preferia realmente ter a versão impressa em mãos. Cathy Johnson é outra professora da Sketchbook Skool. O livro é repleto de estratégias de por onde começar, fotos de art journals inspiradores e motivos pelos quais mantê-los irão fazer bem a sua vida como um todo, mesmo que -- especialmente se -- você não pretenda ser um artista profissional.



quinta-feira, 7 de abril de 2016

Três YouTubers Nacionais para Desenhistas e Ilustradores - BEDA #7

Ando em uma febre de YouTube -- YouTubers que falam sobre livros, maquiagem, desenho, ilustração, filmes e tudo o mais que você conseguir imaginar. Entre eles selecionei três canais nacionais que gosto bastante -- embora tenha algumas ressalvas sobre eles (mas que no momento vou guardar para mim para que você possa tirar suas próprias conclusões).

São eles:

Mariana Cagnin
https://www.youtube.com/user/justmaryy17


Cras Conversa Oficial
https://www.youtube.com/user/CrasConversaOficial


Ricardo Lira
https://www.youtube.com/channel/UCSuTtrBA3WRJ9P6znGJByXg

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Como Estruturar Referências para Estudo - BEDA #6

A postagem de hoje vai ser um pouco preta e branca -- então eu espero que você não desanime, porque ainda assim vai valer a pena. No BEDA #5 eu falei um pouco sobre o impacto da falta de foco: não saber o que estudar, e por conta disso não estudar nada. Então eu lembrei dos meus PDFs do FAC (Famous Artists Course) -- esse foi um curso por correspondência de desenho muito famoso nos EUA, que contava com artistas de peso entre os professores que elaboraram a apostila (entre eles, por exemplo, Norman Rockwell). Os PDFs das apostilas escaneadas costumam circular pela Internet de forma pirata compartilhada de tempos em tempos, e o esforço para baixá-las vale muito a pena (especialmente se você domina o inglês).

Uma nota: Como profissional de ensino a distância eu sei que o termo "curso por correspondência" costuma carregar uma carga negativa aqui no Brasil -- muito pela falta de formação do estudante brasileiro em aprender por conta própria, e de alguns conteúdos de baixa qualidade vendidos -- mas a situação é bem diferente quando falamos de EUA e Europa, onde essa foi uma maneira de aprendizagem séria por mais de um século. Quem leu "O Diário de Anne Frank", por exemplo, sabe que ela aprendeu línguas por correspondência durante a guerra escondida num sótão... Então acredite que você pode -- em situações muito mais confortáveis (e ainda hoje com o benefício da Internet) -- fazer o mesmo.

Agora voltando ao FAC -- já na apostila inicial de introdução, ele oferece um "gráfico para fazer um arquivo" de referências, citando vários tópicos comuns ao dia a dia e todo o tipo de itens do qual você deveria fazer um arquivo de referência (com fotos, recortes etc.). O gráfico é esse a seguir.
Para pessoas como eu, que sofrem de TOC informático, isso é um deleite... Há tempos tenho um pastinha no Dropbox cheia de referências digitais para desenho... E tudo bagunçado. Ao lembrar disso, já sonhei com nomenclaturas para categorias e subcategorias, pastas e subpastas onde vou jogar meus arquivos de imagem e PDF etc., etc.

Mas pessoas normais como você podem se beneficiar de outra forma: Esse gráfico de referências é uma ótima forma de levantar temas para estudo... Eu mesma percebi que quando vou desenhar estou sempre muito focada em Figura Humana, e em apenas algumas determinadas categorias. Com essa lista fica mais fácil levantar referências para estudo, e mesmo marcar aquilo que você precisa estudar -- para mim, cenários de qualquer tipo e animais, por exemplo, seriam um ótimo desafio, já que essas áreas costumam ser incrivelmente negligenciadas. 

Por conta disso, eu até comecei a traduzir a lista acima pra montar um PDF semelhante, o mais fiel possível, para me orientar... Mas enquanto fazia isso, tive que parar: por mais que eu queira ser fiel a uma referência tão bacana, os tempos são outros (mais precisamente, quase 100 anos depois), então alguns itens precisam mesmo de atualização... Então esse freebie para os meus leitores vai ficar para outro dia -- mas ainda nesse BEDA.

 Quando eu cheguei no item "Natureza", ficou claro que era preciso detalhar um pouco mais... "Água", por exemplo, é um item muito amplo pra juntar "rios", "lagos", "praia", "cachoeiras" etc.

Se você ficou interessado no "FAC - Famous Artists Course", ele ainda existe em uma versão atualizada pela fundação que mantém os direitos do curso -- é possível adquirir os arquivos oficiais online na versão digital, ou comprar a versão impressa para se entregue em casa. Basta acessar: http://arthomestudy.com/

terça-feira, 5 de abril de 2016

Como construir um "Bloqueio Criativo" - BEDA #5

Em apenas duas páginas feias, testes de esferográficas, grafite e aquarela.
Não, você não leu errado -- eu não pretendo te ajudar a sair do buraco do "bloqueio" criativo... Até porque se eu soubesse como, não estaríamos tendo essa conversa. E para ser sincera, eu nem gosto muito dessa história de "bloqueio artístico" ou "bloqueio criativo" -- por isso que estou usando aspas até agora... Eu ficaria mais feliz com um termo como "ressaca criativa" ou "mal-estar criativo"; porque "bloqueio" sempre me dá a ideia de algo externo que é colocado entre você e a sua produção criativa, qualquer que ela seja...

Você está lá, de boas, fazendo tudo certinho e BANG! Cai um bloqueio na sua frente e não sai mais nada.. E agora? Será que a defesa cívil virá lhe ajudar?

Pra mim nunca foi assim... Sempre foi uma questão de construção de barragem mesmo... Pequenas más escolhas, acumuladas ao longo do tempo, e que levaram a travar qualquer vontade e produção. Entre elas:

1 - Falta de Foco.
Não saber o que quer praticar, ou querer praticar tudo -- e acabar não praticando nada. No momento eu estou com vontade de praticar desenhos a grafite, voltar ao básico... Mas aí eu lembro do lápis de cor... E aí eu vejo que todo mundo está fazendo aquarelas... E nessa vontade de fazer tudo -- e encontrar, por exemplo, um sketchbook que esteja preparado para tudo isso, eu não faço nada.

2 - Perfeccionismo.
Essa é um clichê, mas não deixa de ser verdade por causa disso: sempre que eu foco na qualidade (ao invés de focar na quantidade) o resultado é uma queda geral nos dois. Ver um monte de vídeos no youtube e páginas de artjournal lindas por aí não melhora... Cria uma pressão desnecessária.

3 -Indisciplina.
Não colocar a prática como prioridade. O que faz com que você faça algo um dia, no outro não e talvez retome daqui a duas semanas (ou mais). Essa indisciplina, essa falta de constância, está também ligada a falta da foco -- nesse caso o que falta é um propósito claro do porque fazer isso.

E agora, como a gente sai dessa?
Para ajudar a sair dele, conte com a ajuda dos especialistas:

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Sketch Perdido - BEDA #04

sk_2016_0004

Esqueci de publicar esse sketch na sequência em que foi feito... Veio bem a calhar em um dia como hoje: a dez minutos do final do dia, e quando eu não tenho absolutamente nada a dizer depois de um dia COMPLICADO... Calma aê, que amanhã tem mais.

domingo, 3 de abril de 2016

Livros sobre desenho que valem o investimento: Lessons in Classical Drawing - BEDA #03


Maior que a coleção de sketchbooks e materiais para desenho, talvez -- porque eu não vou parar para avaliar se é isso mesmo -- só a coleção de livros de desenho. Desde que eu comecei a estagiar no século passado (gente que cruzou séculos e milênios sofre em pensar dessa forma), eu comecei a monta a minha biblioteca básica de referências. Cometi muitos erros e acertos (tenho que admitir, mais erros) mas alguns dos acertos acabam compensando esse método de tentativa e erro. E esse é um deles.

"Lessons in Classical Drawing: Essential Techniques from Inside the Atelier" é um livro escrito pela artista Juliette Aristides, e produzido com um cuidado admirável: o livro é capa dura, tem 208 páginas em papel couché brilhante e, se na pior das hipóteses você não aprender nada com ele, você ainda vai ter uma bonita obra para folhear.

Apenas uma nota que eu acho significativa para quem gosta de livros do tipo: esse é o tipo de livro de desenho que requer leitura -- não é do tipo que você apenas olha as imagens, estuda e deixa os textos de fora.

Além disso, ele acompanha um DVD com instruções importantes sobre os principais temas que é bem interessante de assistir. Para quem se interessa em entender os princípios por trás do desenho (como linha, composição, tom, luz e sombra etc.), ele é muito interessante.

E como estou a minutos de ficar de fora do BEDA de hoje, eu vou parando por aqui. Talvez ao longo do mês eu fale mais um pouco sobre outros livros bem interessantes que estão aqui na estante.


sábado, 2 de abril de 2016

Sketchbook da Bolsa - BEDA #02

Nem precisa ler esse blog há muito tempo para perceber que eu tenho problemas com Sketchbooks... Eu os coleciono mais do que eu coleciono sketchs.

Mas ontem estava folheando esse que eu considero "meu sketchbook de bolsa", e cheguei a conclusão de que apesar de ele já ter atravessado alguns anos, ele é o que melhor executa a proposta de sketchbook... Aquele caderninho que está sempre a mão quando você quer rabiscar qualquer tranqueira -- não se pergunte "ué, mas não é função de todos os sketchbooks serem esse companheiro portátil?" pq nada é tão simples por aqui.

Se você é o tipo de pessoa que abre seu sketchbook em qualquer lugar, puxa a primeira caneta ou lápis que aparecer e começa a rabiscar... Eu lhe invejo. Minha "prática" (se é que podemos usar essa palavra) envolve algo como:

1 - Escolher "o sketchbook" -- aquele caderno abençoado pelos sacerdotes de algum monte, e que está impregnado pela musa da inspiração... Pois com ele eu realmente vou começar a desenhar direito -- em quantidade e em qualidade.

2 - Montar um estojinho "básico" de bolsa, que contenha pequenas amostras daquele "básico" que você sabe que todo mundo REALMENTE PRECISA para começar um sketch: lápis grafite em todas graduações, 03 graduações de lápis carvão, lapiseiras com grafite azul e vermelho nas espessuras 0.5,0.7,0.9 e 2.0; canetas nanquim descartáveis, lápis dermatográfico, borracha limpa tipos, borracha normal, caneta borracha, caneta borracha elétrica, apontador, estilete e qualquer outra coisinha "extra" só pra estar precavida se a inspiração aparecer.

3 - Possuir a bolsa/sacola CERTA que comporte esse sketchbook, o estojo, ofereça o espaço necessário para as demais coisas BÁSICAS que toda mulher deve carregar -- imagine o BÁSICO feminino com base no BÁSICO do estojo -- ser fácil de abrir e acessar em qualquer lugar, além de oferecer certa inspiração artística.

Se eu tiver essas pequenas coisas, é possível que eu abra esse sketchbook de seis em seis meses vez ou outra e rabisque alguma coisa.

sexta-feira, 1 de abril de 2016

BEDA - Blog Everyday Abril 2016

-- Ô Koh-I-noor, sua aquarela em pastilha nao é melhor do que da Faber... -- Ô Priscilla, que tal não testar em sulfite vagabundo? -- Ahhh,'fica pra próxima!
Entrando aos 45 do segundo tempo pra dizer que vai ter BEDA (Blog Everyday Abril) por aqui -- só para compensar a falta  de postagens recentes...

Esse rascunhinho fajuto aí é resultado da compra de uma aquarela básica que eu comprei (da Koh-I-Noor), estilo a básica da Faber-Castell, para ficar fazendo rascunhos.

Por conta dela, eu já descobri algumas coisas:

1. A aquarela da Koh-I-Noor não é muito diferente da da Faber-Castell... Nem em preço, nem em qualidade.

2. Os Sketchbooks básicos da Hahnemulle não aguentam aquarela, apesar da folha grossa... O sketchbook mais básico da Canson (o Art Book One), apesar da folha mais fina, aguentam lindamente.

3. Com aquarela, ajuda ter ideia do que você vai fazer, antes de começar.