Mostrando postagens com marcador Art Journal. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Art Journal. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Não fui a lugar nenhum (literal e metaforicamente)

Rosto de Imaginação
Sketchbook Canson A5
Prismacolor Verithin Azul, Vermelho e Lavanda

Fui olhar o blog essa semana e fiquei surpresa que estamos chegando no meio do ano e eu praticamente não postei nada. O que mudou de 2017 para cá? Não muita coisa -- apenas desativei a publicação automática do Instagram aqui no blog, algo que mantinha o endereço mais "agitado".

Corri para o IFTTT para reativar a publicação e já estava feliz... Até que percebi que todas as publicações feitas dessa forma no ano passado não estão mais visíveis (e eu não faço ideia do porque, não atualizei nada no Instagram). Respirei fundo, me conformei que vou ter que voltar editando postagem por postagem para corrigir o problema... Tudo bem que não vai refletir no Feed, mas pelo menos garante que qualquer um que achar esse blog não vai achar que é maluco -- um blog sobre desenhar com as imagens todas quebradas.

Isso significa que tenho que ser um pouco mais "diligente" com o que eu posto no Instagram -- normalmente a ideia é postar lá e fazer uma postagem mais completa aqui mas... Assumo, nem sempre a preguiça permite, então demora... Além disso, nem sempre eu tenho algo para dizer sobre qualquer rabisquinho que eu posto online... Ás vezes é simplesmente o resultado da vitória do dia (Um "hoje eu consegui desenhar") e não há muito mais a dizer no dia -- e gosto de acreditar que é exatamente isso que está para mudar.

Esse blog esta no ar há alguns anos... Vai completar 06 anos em 1º de Setembro... E durante todo esse tempo ele tem sido levado como tudo em minha vida -- eu vou tocando, esperando que algum resultado especial aconteça, sem ter uma intenção definida do que eu quero que esse espaço seja. E se tem uma coisa que eu aprendi, de vez, no último ano é que que as coisas só se realizam com intenção -- na maioria das vezes não necessariamente da forma que você gostaria mas, precisam que vc imponha alguma intenção... Senão tudo mareia e desanda, não vira nada.

Ainda não tenho 100% da minha intenção definida para aqui, mas está quase. Para Julho, eu pretendo voltar por aqui mais regularmente. Se você estiver por aqui, a visita será bem-vinda.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Como recomeçar Sketchbooks abandonados?

Esse é o típico post: "Doidos do mundo, se unam a mim!". Quer dizer, é claro, se você compartilhar do meu nível de loucura. A história é a seguinte: eu acredito em skethbooks mágicos! Não mágicos no nível Harry Potter (ou talvez... Quase!), mas mágicos no nível: "quando eu conseguir o sketchbook perfeito, no momento perfeito, vou começar a praticar, desenhar, criar e não parar mais até quem sabe... Dominar o mundo!"

Momentos "Pink e Cérebro" à parte, a realidade é que não existem sketchbooks mágicos (infelizmente). Existe vontade, comprometimento, rotinas, hábitos, desafios -- ou a falta absoluta de todos esses itens. E no final das contas, mágica mesmo, só aquela que você consegue eventualmente fazer no papel. O resultado disso? Diversos sketchbooks começados e jamais terminados.

E é aí que a coisa fica mais louca...

E assim como eu acredito em sketchbooks mágicos, eu acredito em sketchbooks amaldiçoados... Ok, talvez o termo seja muito forte! Eu acredito em sketchbooks zicados: Você começa, não leva adiante, e o sketchbook fica lá com aquela cara de potencial não realizado, decepção e sonhos perdidos... E quem quer recomeçar um livrinho com toda essa carga negativa quando pode ir na loja, comprar um novo e acreditar que "Amanhã, será um lindo dia, da mais pura alegria, que se possa imaginar"? Provavelmente, não muita gente.

Mas tudo tem remédio nesse mundo...

E acabo de descobrir algo que pra mim, felizmente, resolve!
Prestem atenção no... EXORCISMO DE SKETCHBOOK!!!

Ok... Mais uma vez o termo é exagerado e o resultado decepcionante, rs. O que eu descobri é que simplesmente criar uma divisória bem marcada entre o que foi feito anteriormente no Sketchbook e o que está por vir faz o serviço de "ressetar" o caderno na minha alma... Eu consigo novamente olhar para ele como se nada tivesse acontecido. Apliquei um papel de origami no primeiro do inicio do ano passado com um pouco de fita azul (que me venderam como uma fita melhor para fazer máscara no papel mas que na verdade nunca mais sai dele, e eu já não sabia mais o que fazer com o resto do rolo) e voilà! Pronto para recomeçar como se nada tivesse acontecido.

Nesse outro sketchbook (2ª tentativa de sketchbook mágico do ano passado) eu levei a técnica do reboque origâmico a outros níveis de exagero mas... O sentimento de exorcismo foi o mesmo. Agora eles estão aqui sentadinhos na minha mesa, prontos para receberem novas tentativas.

Diga Adeus a Culpa!
Antes de encerrar, eu gostaria de dizer que, se você está pensando "Ah, mas eu não consigo dar conta de um sketchbook, imagine vários", eu gostaria de dizer: chega de culpa! Parei com esse negócio de me culpar por estar começando um pouquinho em cada sketchbook, e por uma razão bem básica: cada um é bom para uma coisa.

O Hahnemühle de capa vermelha da primeira foto é uma coisa maravilhosa pra lápis grafite e lápis de cor (se você não está procurando algo livre de textura), mas é péssimo pra qualquer outra coisa, mesmo tendo uma gramatura grossa... Até esferográfica vaza pro fundo do papel com o tempo. Já o Canson (preto) é ótimo para lápis, lápis de cor, esferográfica, nanquim (aguenta bem uma aquarela com pouca água) -- mas nesse modelo a encadernação não é tão maleável quanto o Hahnemühle ou mesmo  quanto um Canson ArtBook 180º. E nenhum deles lida muito bem com a minha mania de usar hidrográficas quanto o que eu mesma fiz com papel Bristol então... Cada um tem um lugar no meu coração. Isso se você não contar também que, com múltiplos sketchbooks há a possibilidade de dividi-los não só por técnicas mas por temas -- e até mesmo espalhá-los pelos locais que vc frequenta (mesmo que seja na sua própria casa).

Ou seja: levante esse sketchbook, sacode a poeira e dá uns riscos por cima.

sábado, 22 de outubro de 2016

O que comprar pra começar a desenhar?

A minha versão pessoal é um pouco diferente do que vou recomendar, mas o espírito é o mesmo.
Depois do post de ontem (Não pare. Não pire), eu fiquei pensando no que eu compraria para começar a desenhar se não estivesse soterrada em material e intenções há tantos anos. Indispensável mesmo, só papel e lápis -- mas alguns extrinhas já dão boas condições para brincar bastante.

Minha listinha seria...

Materiais:
  • 01 Bloco de folhas (Layout) A4 com 50 folhas.
  • 01 Lápis HB.
  • 01 Lápis 6B.
  • 01 Borracha.
  • 01 Apontador.
  • 01 Prancheta.
  • 01 Caixa de Lápis de Cor 12 Cores.
  • 01 Caneta Esferográfica Preta.

Por que cada um desses? Vamos ver...


Papel Layout A4

Papel branco, liso, acetinado -- se dá bem com lápis, com esferográfica, com nanquim e com lápis de cor. Não é acid free (não é para deixar seus rabiscos para a posteridade) mas você compra um bloco por menos de 3,00 (Kalunga) e não sofre a cada rabisco que não sai do jeito que você espera. Eu gosto mais do que comprar um pacote de sulfite, pq estão todos juntas no bloco (mais fáceis de carregar, e guardar).

Lápis HB.

Muita gente vai falar que bom é ter um 2B -- eu discordo. 2B já é escuro demais se você está começando e tem a mão pesada. Um HB é perfeito pra fazer rascunhos, traçar estruturas e fazer leves sombreados. E não precisa, nesse começo, ser um Lumograph da Mars/Staedtler -- um Faber Castell Regent faz muito bem o serviço.

Lápis 6B.
 
Aqui você tem a outra ponta -- o mais escuro e macio da maioria das marcas. Se você tem a mão pesada, vai ter que aprender a segurar a mão com delicadeza pra não abusar. Se tiver a mão leve, começa a colocar algum contraste nas coisas. É claro, existem todas as gradações entre HB e 6B -- mas com esses dois, vc não precisa de mais nenhum se trabalhar o peso da sua mão... E é aí que eu acredito que está boa parte da diversão.

Borracha.

Dados os materiais anteriores, talvez aqui seja onde eu investiria mais -- e teria duas: uma borracha tradicional de melhor qualidade (hi-polymer) e uma borracha "artística"/"miolo de pão" (aquela molinha, como limpa-tipos, que limpa bem grafite. Eu tinha um professor que abominava borrachas -- mas não abria mão da miolo de pão.

Apontador.

Nove em cada dez -- insira a sua definição de sabe tudo aqui -- lhe dirão que o estilete é melhor que o apontador... É mesmo: pontas maiores e mais afiadas, melhor aproveitamento dos lápis etc., etc... O detalhe é: se vc está começando, boa chance que não saiba utilizar o estilete direito, ou que vá perder boa parte do tempo apontando os lápis e não desenhando. Se vamos começar a desenhar com regularidade, vamos começar: pega um apontador com um bom reservatório (para não ficar espalhando casquinhas pelo mundo) e siga em frente.

Prancheta.
Não precisa ser uma Trident A4 de fórmica que custa 40 reais -- pode ser aquela pranchetinha de responder formulário, de mdf que custa no máximo 4,00 (De novo, Kalunga). Você só precisa de um apoio firme pro papel que possa levar pra onde for.

Caixa de Lápis de Cor 12 Cores.


Você não precisa começar com uma caixa de lápis de cor de 12 cores -- mas que vai ser legal ter uma, vai. Você pode começar a brincar com rascunhos em cores diferentes, fazer umas hachuras em cor, ou mesmo colorir com combinações básicas de cores -- é um esbanjar no momento que vai lhe dar alegria. Um dia no futuro eu falo sobre marcas de lápis de cor no contexto de pintura de lápis de cor, mas no momento guarde o seguinte: compre uma Faber-Castell vermelha simples de 12 cores (ou se quiser esbanjar mesmo, aquarelável). Um dia eu explico melhor, mas vamos ao FAQ básico: 1) Pode ser outra marca (BIC, Staedtler, etc.)? Não -- a menos que seja Giotto ou Mapped. 2) Pode ser aquelas que tem 24 cores em 12 lápis? Não. 3) Pode ser aquele apagável da Faber? Deus, não! Nunca.

Caneta Esferográfica Preta


Inicialmente eu tinha colocado aqui uma caneta nanquim mas... Uma esferográfica preta, no momento e no contexto de estar começando, não deixa nada a desejar -- ainda permite que você experimente por um valor bem mais em conta. E não precisa ser esbanjador aqui: qualquer BIC Cristal, Faber-Castel ou Paper Matte de menos de 1,00 faz o trabalho muito bem -- apenas se certifique de pegar uma com a tinta fluíndo. Ninguém merece, nem para desenhar, esferográfica falecendo no papel.

segunda-feira, 16 de março de 2015

Nem sempre é o que parece.

Mais um estudo sobre os trabalhos realistas do Marcello Barenghi -- sempre em lápis de cor, enquanto o mocinho esperto utiliza várias técnicas ao mesmo tempo. Ou seja, reproduzir o desenho dessa forma é desafiante. O maior obstáculo? Tempo. Não estou acostumada a ficar tanto tempo em um trabalho. Estou no começo do segundo mês de aula e acabo de terminar meu segundo desenho. Para quem gosta de resolver tudo em uma sentada é... Frustrante na maior parte das vezes.

Acho que desenhos como esse são uma armadilha. Embora esteja plenamente ciente dos seus defeitos, aos olhos leigos ele é um trabalho muito legal... Dá satisfação de olhar, e aí que mora o perigo. Estudos sobre o trabalho alheio, ou fã arte em geral, constitui um território meio cinza para mim.

Se eu tivesse mais tempo para dedicar ao desenho e a pintura, talvez não em incomodasse tanto: esse seria um simples estudo no meio de uma produção autoral mais sólida... Mas não é assim. Quando tudo que eu consigo fazer é isso, fico pensando no que isso significa do ponto de vista "arte" -- não "Arte" com "A" maiúsculo, nem quero entrar nessa discussão -- mas arte como expressão artística: qual desenvolvimento posso ter se toda a "minha produção" for constituída de cópia do trabalho alheio?

No meu eterno debate sobre porque e para quê desenhar essa tem sido uma constante: a luta entre o que parece bom, e o que de fato é. Quero ser alguém que faz reproduções bonitas, ou aceito ser a pessoa que quebra a cabeça com alguns (muitos) trabalhos meia boca enquanto aprende a se expressar por conta própria?

Trabalho como esses são os trabalhos que fazem os outros olharem e admirarem. Mas embora eu também goste do resultado, me incomoda saber que eu não participei na escolha do tema, na escolha do olhar, não exercitei minha capacidade de observar, compor etc.

Eterno debate entre parecer bom... E ser de fato.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Sempre mais do mesmo...

Recentemente eu decidi parar de mentir para mim... Não adianta ficar enchendo o Sketchbook de rabiscos (uma amiga gosta de brincar que são "artes naïve", rs) e achar que estou fazendo alguma coisa... Mesmo com toda tortura e necessidade de aprimoramento que a coisa precisa, eu gosto mesmo de arte figurativa, de realismo, de hiper realismo... Se eu chego lá ou não, é outra questão mas... Não vou ficar entretendo coisas tão fora do meu padrão para tentar despertar a minha criatividade.

Recentemente eu publiquei um link na página do Facebook (http://www.studentartguide.com/articles/art-sketchbook-ideas) só para relembrar que sketchbooks vem em todos os formatos e com todos os tipos de conteúdo. Estou me dando ao direito, então, de ser um pouco mais metódica sem muito peso na consciência.


sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Sempre mais do mesmo...

Eu já tenho um blog específico para reclamar da vida para não ter que fazer isso por aqui. Mesmo assim acho que vale a pena atualizar... Não me cuidei direito essa semana: não dormi o suficiente, abusei das horas de trabalho, descuidei da alimentação. Aí nesse, justo nessa quinta e sexta que eu precisava dar força total, fiquei marcha lenta... E agora se assenta aquele resfriado do ano que eu sempre tenho, o que derruba para valer mesmo.

Dor de garganta, dores no corpo e calafrios são os meus amigos agora. Nadei, nadei e morri na praia com tudo que tinha que entregar essa semana então... Eu fico me perguntando de que vale tanto esforço se eu não consigo virar a entrega.

Ando reavaliando muita coisa... Só não sei quando eu terei oportunidade de colocar qualquer resolução em prática... Parece que eu estou sempre correndo atrás do próprio rabo -- as coisas grudam umas nas outras e eu simplesmente não tenho tempo de refletir... Nem sobre como aproveitar melhor os 20 minutinhos que eu dedico a isso.

Uma nota sobre o azul: é Ecoline... Comprei há um milhão de anos, e ainda não usei direito. E ela está ficando grossa - algo que não deveria. Resumo na Ópera: estragando materiais como nenhuma outra há 34 anos.

quinta-feira, 31 de julho de 2014

O poeta é um fingidor...

Não, eu não sou poeta. Mas eu entendo bem a parte do fingir... Tanto que, cansada de páginas e páginas que não tem cara da "art journal", eu resolvi fazer uma mais parecida com aquilo que encontro por aí... Mas é fake. A folhagem é fake, o rabisco é fake... É só para parecer, mas não é -- algo que eu entendo muito bem.

Mas deu para testar a nova Micron, deu para testar a tinteiro que está com tinta vermelha, e ainda deu para brincar de pontilhismo com canetinhas (como eu sou gente grande, tenho que chamar de marcador).

Um dia desses, quem sabe, isso tudo começa a fazer sentido.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Se o limão é cocinero...

Dê um desconto pelo título... Vc já assistiu o comercial do "limão cocinero"? Aquele diabo de música entra no cérebro e não sai mais...

Fora isso, estou em crise com o meu sketchbook... Ele não vira um art journal, um diário ilustrado e muito menos um caderno de prática. Não sei se a minha vida é muito digna de "nota ilustrada"... Acho que eu ainda sou mais fã de um diário escrito do que de um diário ilustrado e, quando abro o caderno para desenhar eu gostaria que o resultado fosse mais realista e menos "engraçadinho".

Esse aí é (ou era) meu timer de cozinha... Digo era, porque eu sempre quis um desses timers mecânicos que fizessem barulhinho para marcar meus pomodoros (longa história)... Esse deve ter feito isso umas três vezes na vida. Aí como bom produto chinesinho, ele só fica de cá para lá em casa parecendo bonito. O trabalho de timer de verdade é agora realizado por um eletrônico que me deixa menos na mão, não faz barulho fora de hora e é bem mais customizável. 


terça-feira, 15 de julho de 2014

Mierda!

Ok, eu tenho que admitir que estou fazendo as coisas bem meia boca ultimamente... Mierdas, mierdas, mierdas! Não estou me dando ao trabalho de olhar direito para o que estou desenhando, estou querendo apenas a página completa, e passar para a próxima.

Quando eu estava fazendo um sketchbook com o papel mais acetinado, eu estava reclamando que demorava para sombrear mas... Eu estou começando a ficar com saudade dele nos últimos dois... Esse papel mais áspero que tem textura mas não aguenta nada, fica meio úmido etc., não me agrada muito.

Prometo ser mais cautelosa no próximo sketch -- olhar melhor, gastar mais tempo, não finalizar de qualquer jeito apenas para bater cartão. Acho que o que me incomoda nessas tentativas de "Art Journaling" é que não estou tão interessada em documentar minha vida (pra isso eu tenho meu diário) quanto estou em melhorar no desenho... E no quesito "melhorar no desenho", fazer as coisas desse jeito não adianta muita coisa.

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Em (algum) movimento

Nesse domingo eu tentei documentar a minha tentativa de trabalhar... Não deu certo. A semana foi extremamente desgastante e quando o final de semana chegou tudo o que eu queria -- e consegui fazer -- era dormir. Tem épocas que acontece dessas de eu empacar como um burro velho. Poderia analisar isso de mil maneiras, mas vou ficar com a simples e clara colaboração entre cansaço e preguiça.

Uma coisa eu devo deixar registrado em favor desses sketchs tortos que estou fazendo -- eles não levam nem 20 minutos. Nem precisa dizer "não diga!!!"; rs. Eu sei que a qualidade deixa isso claro mas... Vinte minutos que ajudam bastante a resolver a angustia de estar empacada, pelo menos nessa área.

Mas vale relembrar que quando eu dedico o mínimo de tempo possível a isso, a coisa se torna altamente perigosa. Perspectivas, vontades, desejos... Tudo muda e eu começo a pensar se estou fazendo a coisa certa da vida, como tudo isso é muito melhor e "malditas responsabilidades", "malditas contas" etc., etc... Não é muito bom começar a pensar esse tipo de coisa quando você tem uma porção de coisas para fazer. Não é mesmo.