Mostrando postagens com marcador doodling. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador doodling. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 28 de janeiro de 2020

Uma página (ou capa) por vez.


A doida do ZIA (Zentangle Inspired Art) ataca novamente. Tem que especificar isso porque, como eu descobri depois de comprar e praticar o livro "Desenho Zen", a palavra "Zentangle" é uma marca registrada pelos "criadores da técnica"... Outra hora podemos discutir por aqui essa mania que estadunidenses tem de pegar uma coisa da cultura geral, formatar num procedimento aleatório e patentear como sua "propriedade e criação" -- e as sérias implicações disso nas artes e na ciência -- mas por hora, vale dizer que o meu trabalho "INSPIRADO" em Zentangle continua.

Nessa hora, eu tenho certeza que "amadores" podem se dar a alguns luxos de "superstição" que não são reservados a profissionais -- por exemplo, cismar que os sketchbooks que você tinha separado até agora pra começar o ano não estavam com "a energia certa", e escolher começar um novo do zero, mais uma vez. E decorá-lo para ficar com a "vibração do ano" -- eu podia colocar aqui esse meme...


Seja como for, estou tentando, para o beneficio da minha sanidade, entender que; embora eu não saiba o porque de fazer essas coisas, a melhor prática continua sendo seguir um dia depois do outro. Uma página depois da outra. Por hora, começando pela capa do sketchbook. E no final das contas, em retrospetiva, é sempre mais interessante ver páginas rabiscadas com qualquer coisa do que perceber que o ano passou e as páginas ficaram em branco, então... Está valendo. 

Vamos ver que tipo de rabiscos esse sketchbook abrigará!

terça-feira, 16 de julho de 2019

Rascunhos em Rosa...

Mais uma cabeça para a coleção de cabeças.
Segunda coisa mais rabiscada depois de cabeças.

Faz um bom tempo que eu fiz esses dois -- o primeiro, no caderninho de rascunho que eu comprei na Miniso (não vou chamar de sketchbook, já que o papel briga com lápis de desenho, rs) e o segundo foi a divisória inicial do meu Bullet Journal que acabou de acabar...

Estou meio distante de qualquer tipo de sketch. Primeiro por conta do Blog novo (o Omni Journal Brasil, onde eu falo de cadernos e journaling -- mais em breve), depois pelos freelas ganha pão e terceiro... Desânimo.

Gosto muito de fazer esses rabisquinhos -- tanto que toda vez que começo a ficar mais produtiva neles começo a me questionar por que não estou fazendo mais deles (boletos? Obrigações? Tudo um pouco?) e digamos que "esse sorriso vai ser mau pros negócios", como diria a Satine em Moulin Rouge (puxei do baú agora, não?).

Vou assumir o modo "meio deprê pós apocalíptico" para dizer uma coisa: às vezes eu fico pensando que quando eu ficar mais velha -- se eu chegar a tanto -- eu vou passar o fina dos meus dias lamentando não ter feito mais isso. Eu não gostaria dessa sensação para mais ninguém. Então se for o seu caso, corre para o seu caderno e desenha.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

O que fazer com o desânimo!?

Por mais que eu tenha me comprometido a postar todo e qualquer rabisquinho por aqui e por mais que eu saiba que tudo que se faz é evolução... Às vezes cansa não é mesmo?

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Pequenas Práticas

Com esse rabisquinho eu totalizo 90 rabisquinhos no ano... Sabe o que isso signifca? Que dentro do meu acompanhamento anual -- meus álbuns no Flickr onde eu acompanho a produção anual desde o que eu encontrei nos meus arquivos a partir de 1994-- esse é o meu terceiro ano mais "produtivo", ficando atrás dos anos de 2001/2002 (um pacote que eu não consegui desmembrar) e do ano de 2008.

Isso é legal e igualmente triste... Pensar que em quase 365 dias no ano eu fui capaz de rabiscar alguma coisinha (que na maioria das vezes não totalizou nem uma hora) 90 vezes... Menos de 90 horas do ano... Menos de 12 dias úteis dedicados, me desanima. Acho difícil que eu não tenha gastado mais horas no ano com coisas mais inúteis e insignificantes como jiboiar na frente da TV, ou de braços cruzados curtindo uma raiva da vida...

E assim como se estala os dedos, a vida passa e você percebe que não fez quase nada -- um quase nada melhor do que em muitos anos, mas mesmo assim... Quase nada. Para 2018 eu estou pensando em aplicar algumas técnicas de acompanhamento da produção mais simples e dedicadas, acompanhando num planner os dias em que eu fiz alguma coisa (e o que fiz), tentando dedicar 15 minutos diários em um horário fixo (pelo menos) e preparando algumas referências para estudo com antecedência.

Quem sabe assim, além de produzir um pouco mais, eu também melhoro a prática e amplio a qualidade dos resultados.


quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Referência, Paciência e Consciência

Gosto de pensar que a moça está dizendo "Sério que você desenhou a minha mão assim?", rs. Sempre me surpreende que a qualidade do que eu desenho muda significativamente de um rabisco pra outro, e a questão cronológica não tem nada com isso -- posso pegar coisas de anos atrás muito melhor do que hoje, e vice versa.

Hoje em dia eu já aceitei que algumas coisas influenciam
  • Referências e Biblioteca Mental.
  • Paciência no momento do desenho.
  • Integração dos materiais escolhidos.
Por exemplo: Esse sketchbook da Canson não reage muito bem com lápis -- ele é mais poroso, então é melhor pra esfumaçar as coisas ou, se você quer fazer desenhos com linhas mais definidas, precisa no máximo utilizar uma lapiseira 0.5.

Como estou fora de casa esses dias, meus materiais estão um tanto quanto limitados -- assim como meu acesso a referências e meu estoque de paciência, então... Nada muito significativo é produzido.

Não consigo deixar de sonhar com a semana entre o Natal e o Ano Novo... Com nenhuma responsabilidade séria com terceiros, em casa, podendo simplesmente colocar uma música, um filme e rabiscar descompromissadamente sem ninguém encher o saco...

Eu sei, eu sei... Pura situação imaginária.
Mas desses sonhos vivem os sketchers diletantes.