quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Como você escolhe suas referências?

Esse sketch me fez pensar em uma coisa: como você escolhe o que vale a pena desenhar? Eu achava isso uma questão simples mas... Acho que não é. Meu método sempre foi colecionar vários recortes de revistas (quando eu digo vários, é váááários mesmo - atualmente são dois fichários A4 com mais de 100 páginas em cada), com imagens que eu realmente gostaria de ter feito, ou acho que tem potencial para serem desenhados (não tem luz chapada, não recortam muito a figura de um jeito que não fique a cabeça toda na foto, ou corte pontos estratégicos como braços e pernas). Eu sei que se formos falar sobre Direitos Autorais, isso está absolutamente errado, mas... Se formos falar sobre direitos autorais, eu também não posso ficar escrevendo letras de música nos meus diários, copiar músicas para o meu mp3 (pasme, isso ainda é proibido pela legislação brasileira) e nem posso dar aquele magnifico show no chuveiro para os vizinhos (embora essa última tenha outras razões para eu não fazer).

Nunca me incomodei muito com isso por que a questão da verossimilhança ainda é o motivo pelo qual eu pratico... Ou seja, por mais que eu saia por aí copiando, você - e provavelmente o autor da foto também - nem vai perceber da onde foi... O dia que eu começar a ser assim exata, começo a compor um desenho com várias referências e investir mais em outros tipos delas.

No entanto, não era essa a questão... Estava com pensamentos mais filosóficos sobre porque desenhar essa ou aquela referência. Veja bem, o meu tempo é limitado - e devo ficar feliz quando consigo sentar uma hora por dia e desenhar. Na melhor das contas (o ano de 2008 por exemplo) eu consigo no ano uma média de um rascunho a cada 03 dias então... Será que a melhor coisa para me dedicar nesse tempo limitado são fotografias aleatórias de modelos desconhecidas?

Começo a pensar que, dada a natureza perecível do meu tempo, talvez eu estivesse fazendo melhor negócio utilizando fotos da família e dos amigos para os meus estudos. Talvez as poses não fossem grande coisa, a iluminação menos mas... Possivelmente os desenhos significariam mais para mim com o passar dos anos.

O rabisco que ilustra esse post...
É um desses exemplos de "modelo aleatória". Aprendizados: sempre olhar a estrutura geral antes de começar a sombrear... Constatações: preciso de uma maneira prática para estudar olhos, fazê-los proporcionais e na mesma linha.

Rascunho 007 (Permissão para matar a modelo)
"Eu tenho esse sorriso torto, mas ainda assim sorrio para a vida"

Nenhum comentário:

Postar um comentário