sexta-feira, 6 de junho de 2014

Ferrugem e Ossos

Ainda comprometida com a ilusão de que esse pode ser o ano mais produtivo em relação ao desenho, eu me apercebo que fazia quase um mês que eu não colocava o lápis no papel -- e que assim iria ficar difícil... Então em resolvi passar para a próxima referência separada no sketchbook... E a ferrugem e a minha total ignorância sobre o básico em anatomia, ambos, levaram o melhor sobre mim.
Identifica-se quem não é profissional pela inconstância: na quantidade de produção e na qualidade do resultado.
De qualquer forma, no topo das promessas não cumpridas, tentei criar uma nova -- não aceito ficar nem mais um dia nesse ano sem desenhar! Desenhar é algo que, em teoria, eu consigo fazer enquanto a minha bebê está acordada, pois consigo ir e voltar sem muito problema, com quantos minutinhos tiver -- trabalhar já é algo mais complexo que requer blocos de concentração maiores.

Mas admito que dá um "tilt" na minha cabeça desenhar antes de ter produzido qualquer coisa no dia que ajude a pagar as contas -- ainda mais quando tenho tanto para fazer.

O rascunho que ilustra esse post:


10-365
Sem grandes comentários... Tudo enferrujado, tudo fora do lugar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário