sábado, 19 de agosto de 2017

Mapa de Influência... Até que foi legal.

Há algum tempo atrás, eu fiz um curso na Skillshare (Create Inspiration Boards & Streamline Your Artistic Process) em que a professora (Gabrielle Brickey, ex Grabrielle DeCesaris) incentivava a montar alguns boards no Pinterest para Inspiração... Gostei, mas não fiz nada a respeito pq já tinha algo mais ou menos parecido no Pinterest.

Hoje assisti um vídeo no canal da Alexandra Presser, e de novo ouvi falar sobre algo semelhante -- os "Influence Maps" ou "Mapas de Influência", sobre um perspectiva um tiquinho diferente, e resolvi tentar.

Como eu já disse, tenho alguns "boards/inspiração" no Pinterest, então pra começo de conversa eu não achei que seria tão interessante quanto foi a montagem desse "Mapa de Influência". Mas a dica da Alê Presser fez toda diferença -- pensar em artistas que você admira, e que são artistas que você gostaria de "alcançar" de alguma forma.

Isso gerou uma revisão completa do meu Pinterest pra montar esse board -- porque é claro, tem muita coisa que eu acho simplesmente linda mas... Se eu tivesse uma lâmpada mágica na mão, e a possibilidade de pedir uma habilidade instantânea para um gênio, provavelmente não seria o talento que eu gostaria de ter. Então tentei selecionar artistas que me inspiram e que provocam um "Uau, se eu conseguisse fazer isso seria f*!".

Coisas que eu achei interessante montando esse mapa:
  • Realismo, pero no mucho: Por falta de uma definição melhor, eu diria que eu gosto muito de um estilo "Realismo Fantástico" -- será que posso aplicar isso pra visual também? Isso significa que eu gosto de coisas com aspectos realistas mas... Com cores completamente exageradas. Talvez tenha algo a ver com o fato que eu acho a realidade em si muito monocromática, ou o fato de ter crescido assistindo filmes em Technicolor. Mas o resumo é: eu gosto muito de cores... Fortes.
  •  Textura: Outra coisa que eu notei: eu não gosto de cores chapadas, e eu gosto particularmente de texturas... E pra ser sincera, eu não sei especificar muito bem se textura é o termo certo então... Acho que tudo merece ser revisto. Acho que uma tradução melhor é: eu gosto muito do estilo impressionista -- e mesmo quando a arte não é um óleo, eu gosto de ver essa "textura de pincelada" aplicada... Acho que é por isso também que eu gosto tanto dos trabalhos a lápis do Stephen Gardner (retrato do David Linch).
Acho que ainda valeria um comentário sobre linha (baseado no meu amor a Alinha Chau, Mucha, Tomy Kane e Loomis) mas nesses eu ainda não consigo elaborar muito bem o que eu gosto tanto, exceto o fato de serem trabalhos incríveis.

O lado negativo da análise...
Olhar essas coisas que eu gosto, faz entender diversas escolhas visuais que eu faço; e isso é um ponto positivo. O ponto negativo da coisa é ter certeza que os resultados, no entanto, não estão muito próximos do que eu gostaria... Acho que se eu estivesse com 17 anos, isso seria um ponto de inspiração. Com 37 a coisa já fica meio... "Ehhhh... Não sei se vai ser nessa vida...". Mas talvez, isso seja só o desânimo, meu velho amigo companheiro, falando.


Nenhum comentário:

Postar um comentário