quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Tia Ivone Carvalho

De retrato em retrato, parece uma loteria se vai dar certo ou não. No caso da família, eu não estou utilizando nenhuma das ferramentas que as pessoas normalmente utilizam na hora de fazer retratos (leia-se, o bom e velho quadriculado) uma vez que a ideia é treinar a observação mas... Em momentos como esse, eu fico triste pela minha "modelo", pois foi possível apenas alcançar uma leve semelhança. Depois de desenhar minha mãe, minhas irmãs e agora a minha tia (e já saber qual foto está escolhida como referência para minha prima), eu posso dizer que as mulheres Carvalho são clones - e parece que eu clonei os erros também na hora do desenho. Tanto na minha mãe quanto na minha tia, eu alonguei o rosto mais do que o necessário, e a semelhança se perde um pouco.

Para a minha tia eu acho que a situação foi um pouco pior pois as sombras que deveriam definir o rosto acabaram nada lisonjeiras.

O rabisco que ilustra esse post...
Não foi uma questão de tempo... Fiz esse em dois dias, umas duas horas em cada dia. Dou um 5 de 10 para mim.

Rascunho 22
Tudo bem tia... Direito a um extreme makeover (refazendo o desenho)

Nenhum comentário:

Postar um comentário