terça-feira, 3 de maio de 2016

Lentes de Estudo: Conceitos, Temas e Técnicas

Desde aquele post sobre como estruturar referências (aqui), eu fiquei meio que "pirando" em como é difícil essa coisa de realmente estudar desenho... Não é de se admirar que muita gente pare em um ponto, desista, não saiba o que fazer ou se sinta sobrecarregada.

Pelo fato de trabalhar como Designer Instrucional, eu acho extremamente difícil abordar qualquer assunto para estudo sem ter uma ideia do todo e de onde aquilo que eu quero aprender se insere -- então comecei a desenhar um mapa mental com as principais "lentes" ou perspectivas que você pode utilizar na hora de aprender -- já percebi que muitas das minhas travas em relação ao desenho estão aí por conta de olhar o sketchbook e não saber muito bem o que fazer com ele: por onde começar, qual a prioridade, o que mesmo eu estou querendo praticar.

Se você quiser ir acompanhando o Mapa Mental completo, ele está em confecção nesse link:
https://www.mindmeister.com/695138380/estudando-desenho 

Por hora, estou tentando dividir referências e práticas em três lentes:

1. Conceitos Básicos.
Estou chamando de conceitos básicos itens como: linha, tom, forma, composição, cores etc. Entendimentos fundamentais que você precisa ter sobre desenho, mas que independem do tema que você quer desenhar (sejam humanos ou robôs do espaço) e muito menos da técnica utilizada.  Embora eu não tenha a ambição de dominá-los completamente antes de passar para os próximos itens, conhecer um pouquinho deles mais a fundo ajuda a diminuir o tempo de "quebrada de cabeça".

2. Temas.
Tema é aquilo que você quer desenhar: pessoas, cachorros, barcos, árvores etc. Temas são estudados com a aplicação dos conceitos básicos, em uma determinada técnica -- mas não estão limitados por elas. Na minha opinião de mortal, é aqui que muita gente se perde -- livros como com títulos como "como desenhar cães?", "como desenhar retratos?", "como pintar paisagens?" e afins, lidam com temas específicos, aplicando conceitos básicos em determinadas técnicas -- mas não deixam nenhuma dessas coisas claras. Aí a pessoa até apreende um pouco dos conceitos básicos e das técnicas, mas não consegue transpor isso para outros temas... E trava.

3. Técnicas.
São os materiais propriamente ditos: grafite, lápis de cor, nanquim, aquarela etc. Depois do boom dos livros de adultos para colorir, estamos tendo o "boom" dos "ilustradores aquarelistas". Até gostar da técnica, tudo bem -- também acho linda. Mas há um limite de cabeças aquareladas com anatomia duvidosa que o mundo precisa. Pessoalmente eu acho um caminho meio estranho gastar uma grana em uma técnica tão cara e ir aprendendo o resto aos poucos (como construir um telhado bonito, enquanto monta fundações e paredes), mas... Cada um cada um.

E no dia a dia, o que tudo isso significa?
Primeira coisa, que há muito a estudar. Segunda coisa, que toda vez que você abre seu sketchbook ou pega uma folha para rabiscar, tenha isso em mente: o que vou praticar hoje, em cada um desses conceitos -- vou estudar figura humana, valorizando a linha, com marcadores? Qual o meu foco real: a figura humana, a linha ou o marcador? Ter clareza sobre isso é fundamental para ter certeza que você está praticando aquilo que realmente lhe interessa.

2 comentários:

  1. uma ideia era criar uma outra linha, só que de estilos: realista, mangá, quadrinhos e etc..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rodrigo! Muito obrigada pela contribuição -- vou considerar como colocar isso no mapa, e quais estilos podemos colocar. A única coisa que me preocupa, é que estou tentando ampliar o mapa como um checklist do que estudar, e no que se refere a estilo, normalmente as pessoas ficam focadas em um ou dois estilos no máximo, e não costumam explorar outros. Valeu! ;-)

      Excluir